Mato Grosso Previdência

Mato Grosso Previdência
Av. Dr. Helio Ribeiro, 487, Edifício Concorde - Térreo Bairro: Residencial Paiaguás CEP 78048-250 - Cuiabá - MT Telefone Geral: (65) 3363.5300 Disque Servidor: 0800 647 3633

CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA MUTUM

CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA MUTUM
Horário de atendimendo: Manhã: das 08:00 ás 11:00 Tarde: das 13:00 ás 17:00 Telefone: (65) 3308-6000 Ouvidoria: 0800 647 6022

Cuiabá Humanizada

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

"Ruanda: Opositora Diane Rwigara denuncia detenção ilegal"

defaultPolícia ruandesa disse que deteve a opositora depois de ela não responder a várias notificações. Mas Diane Rwigara, que foi impedida de concorrer às presidenciais de agosto, fala em ilegalidades. A opositora ruandesa Diane Rwigara denunciou que tudo se tratou de uma tentativa para "camuflar" uma "detenção ilegal" que durou uma semana. Diane Rwigara, a mãe e a irmã foram detidas por alegadamente terem ignorado três notificações. Nos meios de comunicação circula a imagem de agentes da polícia ruandesa a treparem o portão para aceder à casa de Rwigara, na noite de segunda-feira (04.09). Juntamente com a irmã e a mãe, a opositora foi levada para o Departamento de Investigação Criminal para interrogatório. "Não responder a três convocatórias consecutivas conduz ao recurso à força para ir buscar alguém - foi o que fizemos", justificou o porta-voz da polícia, Theos Badege. A opositora é acusada de falsificação de documentos, nomeadamente de assinaturas, no âmbito da sua candidatura à Presidência, que não foi aprovada pela Comissão Eleitoral. As familiares são acusadas de evasão fiscal e de deverem cinco milhões de euros ao Estado.
"Trancaram-nos aqui"
Diane Rwigara denunciou, porém, que foi mantida em prisão domiciliária com a família desde 29 de agosto, pelo que não puderam responder às notificações. "Trancaram-nos aqui e tiraram-nos todo o nosso dinheiro e os telefones. Como poderíamos vir? Parem de mentir à imprensa", pediu. A opositora é filha de Assinapol Rwigara, um homem de negócios que, nos anos 90, financiou a Frente Patriótica Ruandesa e, como compensação, teve direito a um regime fiscal especial. Em 2015 morreu num acidente rodoviário. Mas, para Diane Rwigara, tratou-se de um assassinato. Rwigara tentou, sem sucesso, apresentar-se à eleição presidencial de 4 de agosto, que foi ganha pelo Presidente Paul Kagame com 99% dos votos. A rejeição da candidatura de Rwigara pela Comissão Eleitoral foi criticada por vários Governos ocidentais e organizações de defesa dos direitos humanos.

Autoria Etienne Gatanazi, Eric Topona, AFP, gs/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário