CÂMARA MUNICIPAL de RONDONÓPOLIS - Presidente Rodrigo da Zaeli (PSDB)

CÂMARA MUNICIPAL de RONDONÓPOLIS - Presidente Rodrigo da Zaeli (PSDB)
Endereço RUA CAFELÂNDIA, 434 Bairro: LA SALLE RONDONÓPOLIS - CEP 78.710-050 - MT

A Assembleia Legislativa do Mato Grosso criou um aplicativo inovador para ajudar os cidadãos MT

Prefeitura de Cuiabá - Mutirão da Conciliação Fiscal

sábado, 7 de outubro de 2017

"Polícia acha cabeça de jornalista sueca"

Jornalista Kim WalQuase dois meses após suposto assassinato, mergulhadores encontram partes que faltavam do cadáver. Repórter sumiu depois de embarcar em submarino particular do inventor Peter Madsen. Ele diz que morte foi acidental. A polícia dinamarquesa anunciou neste sábado (07/10) que encontrou na baia de Koge, no sul de Copenhague, a cabeça e pernas da jornalista sueca Kim Wall, desaparecida em agosto, após ter sido vista pela última vez a bordo de um submarino privado. Na sexta-feira, mergulhadores da Marinha da Dinamarca encontraram um saco com roupas da jornalista e uma faca e outro contendo a cabeça e as pernas dela. Ambos continham pedaços de metal, possivelmente para facilitar que afundassem. O chefe da investigação, Jens Moller Jensen, informou não haver fraturas no crânio e que outras partes do corpo apresentam ferimentos menores. A causa da morte não foi esclarecida. O torso de Kim Wall apareceu flutuando no Báltico em 21 de agosto, quase duas semanas depois de ela ter sido vista pela última vez a bordo do Nautilus, o submarino de fabricação caseira em que tinha embarcado para entrevistar o inventor Peter Madsen. O inventor afirma que Wall morreu acidentalmente no submarino, depois que a tampa da escotilha caiu na cabeça da repórter. Ele disse ainda que, depois de navegar sem rumo por várias horas e pensar em suicídio, jogou o cadáver para fora da embarcação, inteiro e com todas as roupas. Madsen, conhecido pelos seus projetos de submarinos, está em prisão preventiva, acusado de homicídio e profanação de cadáver. A investigação policial concluiu que o corpo foi cortado intencionalmente, e que o torso trazia presos tubos metálicos e tinha cortes, possivelmente produzidos para facilitar a saída de gases do seu interior e evitar que viesse à superfície. A hipótese com que as autoridades trabalham é que, nas quatro horas em que o submarino esteve submerso no Báltico na noite do crime, Madsen desmembrou o corpo e se desfez dele.
Inventor dinamarquês Peter Madsen Investigadores acreditam que Madsen matou Wall em ato envolvendo fantasias sexuais. No começo da semana, o promotor Jakob Buch-Jepsen afirmou em uma audiência em tribunal que um disco rígido foi encontrado na oficina de Madsen, contendo filmes de fetiche em que mulheres são torturadas, decapitadas e queimadas. Madisen insiste que o material não pertence a ele, alegando que muitas pessoas têm acesso a sua oficina. A jornalista Kim Wall, de 30 anos, vivia em Nova York e na China e colaborava para jornais como o britânico The Guardian e o americano The New York Times. Na ocasião em que desapareceu, ela estava pesquisando para uma reportagem sobre Peter Madsen, inventor considerado excêntrico e famoso na Dinamarca. Madsen já conseguiu lançar foguetes com sucesso, em um projeto visando desenvolver viagens espaciais privadas. Seu submarino Nautilus, inaugurado em 2008, era o maior submarino privado já construído na época em que ele construiu o veículo, com ajuda de um grupo de voluntários.
MD/lusa/dpa/afp/efe/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário