Mato Grosso Previdência

Mato Grosso Previdência
Av. Dr. Helio Ribeiro, 487, Edifício Concorde - Térreo Bairro: Residencial Paiaguás CEP 78048-250 - Cuiabá - MT Telefone Geral: (65) 3363.5300 Disque Servidor: 0800 647 3633

CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA MUTUM

CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA MUTUM
Horário de atendimendo: Manhã: das 08:00 ás 11:00 Tarde: das 13:00 ás 17:00 Telefone: (65) 3308-6000 Ouvidoria: 0800 647 6022

Cuiabá Humanizada

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

"Bezerra lamenta naufrágio no Xingu e critica decisão do Senado"

Resultado de imagem para dep carlos bezerraO deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT) lamentou a tragédia ocorrida ontem à noite no rio Xingu, no sudoeste do Pará, quando um barco naufragou com 70 pessoas a bordo. “Trata-se, na verdade, de mais uma tragédia anunciada.”, comentou. A indignação do deputado se deve ao fato de que, em maio deste ano, a Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado votou pela rejeição e arquivamento de projeto de lei de Bezerra (PLC-71/2016), que torna obrigatório o uso do colete salva-vidas por passageiro e tripulante de embarcação fluvial aberta. “Foi uma decisão equivocada pelo Senado”, comentou. Equipes do corpo de bombeiros de Altamira e de Belém estão na região do naufrágio fazendo buscas. Os bombeiros informaram que, ao todo, cerca de setenta pessoas estariam no barco que afundou. Vinte e cinco foram resgatadas e sete morreram.

“Vivo de perto a realidade de um Estado, o meu Mato Grosso. O trânsito fluvial na região costuma ser intenso e tenho essa medida como absolutamente acertada, pelo benefício da segurança que trará.”, disse Bezerra.

Só na Amazônia, a quantidade anual de passageiros assim transportados pode ultrapassar os seis milhões, de acordo com estudo realizado pela Universidade Federal do Pará, em parceria com a Agência Nacional de Transportes Aquaviários – Antaq.

O levantamento da Antaq considera apenas o deslocamento longitudinal, podendo ultrapassar os 14 milhões se incluídas as travessias, isto é, o percurso entre margens.

Cerca de 90% das embarcações da região amazônica, segundo estimativas, transitam sem licença da Capitania dos Portos. Seja pelo trajeto curto, seja pela banalidade do uso do transporte aquaviário, as pessoas tendem a neutralizar o perigo, observa o deputado.

Apesar de algum desconforto que pode causar, o deputado Carlos Bezerra acredita que só o uso obrigatório do colete pode evitar o pânico, dar aos tripulantes condições de organizar o salvamento e resgate, poupar vidas. “O que está em discussão resume-se a uma única palavra: segurança!”, disse Bezerra, na apresentação do PL em 2016.

Por Arlindo Teixeira Jr. com Globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário