A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.

A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.
Av. Historiador Rubens de Mendonça, 2.368 - Sala 104 Bosque da Saúde - Cuiabá-MT - 78050-000 comercial@expovarejo.com.br | Fone: (65) 3057-5200

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Vivência com o povo Xavante, 6 a 12 de Julho de 2018

Vivência com o povo Xavante, 6 a 12 de Julho de 2018
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Greenpeace no Brasil

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

sábado, 12 de agosto de 2017

"Com caos na Saúde de MT, Wellington pede ajuda a ministro e volta a cobrar prioridade do Governo"

Senador solicitou reunião de diretores de hospitais filantrópicos com ministro, para buscar saídas para a crise no setor de saúde do Estado. Diretores de hospitais filantrópicos e universitários de Mato Grosso se reunirão, em Brasília, com o ministro da Saúde, Marcelo Barros, na próxima quarta-feira, 16, para tratar do caos em que se transformou o setor no Estado. Atualmente, quatro hospitais paralisaram atendimento de pacientes pelo Sistema Único de Saúde (SUS), alegando falta de repasse por parte do Governo estadual. Os atrasos, segundo a Federação dos Hospitais Filantrópicos de Mato Grosso (FEHOS), superam os R$ 10 milhões.
A audiência foi intermediada pelo senador Wellington Fagundes (PR-MT), a pedido dos dirigentes hospitalares. “Eles querem uma solução e vamos trabalhar nesse sentido, já que o Governo parece não estar disposto a um entendimento” – frisou o senador. Do encontro também vão participar os demais integrantes da bancada federal e o suplente José Augusto Curvo, “Tampinha”, que também é médico.
Crítico da situação, Wellington Fagundes relatou ao Ministério da Saúde o difícil quadro da saúde no Estado. Ele explicou que, atualmente, cerca de 5 mil pessoas deixaram de ter atendimento com a paralisação em quatro centros de saúde: o Hospital Geral Universitário, a Santa Casa de Misericórdia e o Hospital Santa Helena de Cuiabá, além da Santa Casa de Misericórdia de Rondonópolis. As quatro unidades juntas atendem por mês mais de 30 mil pacientes, uma média de mil por dia.
Não bastasse isso, o senador de Mato Grosso disse que é preocupante o fato de que profissionais já começam a abandonar seus postos de trabalhos por causa da falta de pagamento. A queixa é de que estão recebendo salários de dois em dois meses. Muitos desses profissionais, segundo relatos da FEHOS, são contratados por dedicação exclusiva.
Wellington explicou ainda ao Ministério que o Governo do Estado afirma não existir qualquer dívida com os hospitais filantrópicos. Alega que fazia ajuda emergencial por causa da crise dos hospitais e que, devido à inviabilidade orçamentária, o Estado não deve repassar mais estes valores. O governador Pedro Taques chegou a dizer que a possibilidade de ajuda só ocorrerá com a melhoria do caixa do Estado “mais para frente”. A versão do Governo é contestada pela direção dos hospitais.
Para Wellington, no entanto, a questão é de gestão. “Administrar é eleger prioridades, e a vida das pessoas, eu acredito, é a maior delas. É a sensibilidade que qualquer administrador precisa ter” – disse o senador republicano, que voltou a criticar os gastos do Governo com publicidade – cerca de R$ 84 milhões – quando, segundo ele, o certo seria utilizar recursos para ajudar os hospitais a atender as pessoas que tanto precisam. “Vamos buscar uma solução, mas é preciso que o Governo priorize recursos, principalmente para salvar vidas” – assinalou.
Da Assessoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário