CASA DOMINGOS

CASA DOMINGOS
Grandes marcas, com produtos de qualidade Av. Feb 861 Bairro: Manga Cep: 78.110-798 - Varzea Grande

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo, Cuiabá - MT, 78049-901 Telefone: (65) 3313-6900

Programa da Gente

Programa da Gente
De segunda a sexta-feira das 10:00 ás 11:00 horas

TCE MT GESTÃO NOTA 10

"NOBRES:Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

"NOBRES:Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

"Presidente do Irã ataca discurso de Trump na ONU"

USA Rohani vor der UN-Vollversammlung (Reuters/E. Munoz)Em sua fala na Assembleia Geral, Hassan Rouhani descreve palavras de líder americano sobre Teerã como ignorantes, absurdas e não dignas das Nações Unidas. Líder descarta renegociação de acordo nuclear com os EUA. O presidente iraniano, Hassan Rouhani, usou seu discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas nesta quarta-feira (20/09) para rebater as críticas do presidente americano, Donald Trump, contra Teerã e o acordo nuclear feito em 2015 pelos Estados Unidos e outras potências com seu país.Em discurso na véspera perante a mesma assembleia, Trump chamou de vergonhoso o acordo nuclear, firmado pelo ex-presidente Barack Obama, e disse que seu governo pode abandoná-lo se suspeitar que ele "proporciona cobertura para eventual construção de um programa nuclear". "Francamente, esse acordo é uma vergonha para os Estados Unidos, e não acredito que os senhores tenham ouvido a minha última palavra a respeito", declarou Trump nesta terça-feira. O líder americano ainda pediu para que o Irã pare de "financiar o terrorismo", além de definir o país como uma "ditadura corrupta" que tenta desestabilizar o Oriente Médio. No dia seguinte, Rouhani também usou o termo "corrupto" para se referir a Trump, aparentemente de forma proposital. "Seria uma grande pena se esse acordo [nuclear] fosse destruído por corruptos recém-chegados ao mundo político. O mundo perderia uma grande oportunidade", afirmou o iraniano em seu discurso na ONU nesta quarta-feira. Rouhani destacou que o futuro do acordo, assinado ainda por outras cinco potências mundiais, não pode ser decidido por "um ou dois países". "Ao violar seus compromissos internacionais, a nova gestão americana só destrói sua própria credibilidade e mina a confiança internacional em negociar com o país ou aceitar sua palavra ou promessa", acrescentou. Em resposta à sugestão de Trump sobre um programa nuclear, o líder iraniano afirmou que seu país nunca pretendeu obter armas atômicas e que suas capacidades militares, incluindo os mísseis, têm objetivo puramente defensivo. Além disso, atacou os EUA por promoverem "instabilidade" e "violência extremista" no Oriente Médio com suas intervenções. "O governo dos Estados Unidos deveria explicar a seus cidadãos por que, após gastar milhões de dólares, em vez de contribuir para paz e a estabilidade só trouxe guerra, miséria, pobreza e um aumento do terrorismo e do extremismo à região", afirmou ele.Rouhani, por fim, rechaçou o teor agressivo do discurso de Trump perante a assembleia das Nações Unidas, descrevendo as palavras do presidente como "ignorantes, absurdas e cheias de ódio". As "acusações ridículas e sem fundamento" do republicano não são dignas da ONU, acrescentou. "Nunca ameaçamos ninguém, mas também não toleramos ameaças", alertou o presidente iraniano, afirmando que seu país responderá "de forma decisiva e resoluta" se os EUA decidirem deixar o acordo nuclear. Mais tarde, em conversa com jornalistas após seu discurso nas Nações Unidas, Rouhani descartou a possibilidade de renegociar o pacto com Washington. "Na minha opinião, não é realista."
UN Generalversammlung in New York | Donald Trump, Präsident USA (Getty Images/AFP/T.A. Clary)Na véspera, o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, havia afirmado que seu país buscará renegociar o acordo multilateral e espera contar com o apoio dos seus aliados para isso. "Esse acordo não é algo que você pode tocar. Se você tira um simples tijolo, o prédio inteiro desaba", afirmou o líder do Irã, acrescentando que seu governo conta com "várias opções" caso Trump decida mesmo voltar atrás no acordo. O pacto foi assinado em julho de 2015, em Viena, entre o Irã e o chamado Grupo P5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, Rússia, China, França e Alemanha), após 12 anos de difíceis negociações. O acordo amenizou as sanções internacionais contra o Irã em troca de restrições ao programa nuclear do país.
EK/afp/rtr/lusa/efe/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário