Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

MRV ENGENHARIA

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

"TOGO: Presidente do Togo sob pressão"

defaultCentenas de milhares de manifestantes foram para as ruas, na semana passada, pedir a demissão do Presidente Faure Gnassingbé. Mas a oposição não acredita em mudanças. O Parlamento do Togo poderá discutir na terça-feira (12.09) uma reforma constitucional, após vários dias de protestos na semana passada. Centenas de milhares de togoleses foram para as ruas em diversas cidades pedir a demissão do Presidente Faure Gnassingbé e a limitação do número de mandatos do chefe de Estado. Na capital Lomé, as manifestações ocorreram de forma pacífica na quarta-feira, mas as forças de segurança reprimiram os protestos nos dias seguintes. Mais de 80 pessoas foram detidas entre quinta e sexta-feira. Grupos de direitos humanos afirmaram no domingo que todos os presos foram libertados, embora não houvesse confirmação oficial das autoridades.A situação terá estabilizado no fim-de-semana. Segundo a agência de notícias France Presse, depois da violência policial, as ruas de Lomé estavam calmas. Os serviços de internet móvel foram interrompidos.
Dúvidas da oposição
O Presidente Faure Gnassingbé está no poder desde 2005, quando morreu o seu pai, Gnassingbé Eyadéma. A família Gnassingbé está no poder desde 1967, após um golpe militar.
Togo Protest #Faure Must GoNa terça-feira passada, o Conselho de Ministros aprovou um projeto-lei para limitar os mandatos presidenciais. E após os protestos, o Parlamento prometeu discutir nesta semana mudanças na Constituição. Mas a oposição togolesa não acredita que o Parlamento altere realmente a Constituição e desconfia que esta é mais uma estratégia do Governo. "Não estamos à espera de nada. Ainda não conhecemos os detalhes da legislação. Nesta altura, é difícil falar sobre isso", disse Eric Dupuy, porta-voz da coligação da oposição CAP 2015 em entrevista à AFP. Na Alemanha, o político togolês Clement Klutse, que fugiu do Togo há 20 anos, também não confia no Executivo: "Todos sabem que esse Governo tem manipulado as pessoas", afirma. "O mesmo Governo levou este projeto-lei ao Parlamento há dois anos, mas o projeto foi rejeitado pelos seus deputados. Agora, sob pressão da oposição, pretendem levar esta lei de volta ao Parlamento, mas a população quer a renúncia do Presidente".

Autoria AFP, Martina Schwikowski, tms/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário