Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

ANUNCIE AQUI!

ANUNCIE AQUI!
SUA EMPRESA COM MAIS VISIBILIDADE E VENDA

Certificado de Responsabilidade Social

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

domingo, 29 de outubro de 2017

"43% das mulheres da Alemanha sofreram assédio sexual, 12% dos homens"

Homem toca ombro de mulher em local de trabalhoLevantamento recente com mais de 2 mil participantes confirma que problema é abrangente também na Alemanha. Parlamento Europeu e de Londres anunciam inquéritos. Denúncias sob hashtag #MeToo se acumulam. Encorajadas pelo escândalo em torno do produtor de Hollywood Harvey Weinstein, mulheres de todo o mundo levam a público suas experiências com assédio sexual. Também na Alemanha o problema é difundido: segundo uma pesquisa do instituto YouGov, sob encomenda da agência de notícias DPA, 43% das alemãs já foram sexualmente coagidas ou assediadas.
Entre os homens, a porcentagem é significativamente menor: 12%. Em contrapartida, mais de um sexto dos alemães já teria assediado alguém: 18% dos interrogados admitiu já ter se comportado de maneira que a outra pessoa "poderia ter percebido como inapropriada ou sexualmente coerciva". Na sondagem realizada no fim de outubro foi consultado um total de 2.056 participantes. Em outro levantamento realizado com 2.388 em meados do mês, o YouGov já registrara resultados semelhantes. Dele consta que a forma mais comum de assédio seria por toques físicos (cerca de 28%), seguida por comentários lascivos.
Onda de denúncias dos EUA à UE
O Parlamento Europeu anunciou que encarregará especialistas externos de conduzir uma investigação sobre o assédio sexual em suas alas. Colaboradores dos órgãos legislativos do Reino Unido e da Suécia igualmente divulgaram atos do gênero. Depois das revelações, na sexta-feira a primeira-ministra britânica, Theresa May, conclamou as mulheres a denunciarem assédios no Parlamento de Londres. "Todas as acusações serão levadas a sério", declarou um porta-voz do governo. Sob o hashtag #MeToo, nas últimas semanas numerosas mulheres têm demonstrado online quão abrangente o problema é, entre elas diversas estrelas de cinema e outros meios. Alguns homens também já admitiram ter praticado avanços. O estopim da onda de denúncias foi a revelação de que o influente produtor cinematográfico Harvey Weinstein teria praticado assédios sexuais contra mulheres por mais de três décadas. Entre as acusadoras estão as atrizes de primeiro escalão Gwyneth Paltrow e Angelina Jolie. Pelo menos seis outras o acusam de estupro. Em Nova York e no Reino Unido o caso já está sendo investigado, e contam-se com novas denúncias.
AV/afp,dpa/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário