A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.

A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.
Av. Historiador Rubens de Mendonça, 2.368 - Sala 104 Bosque da Saúde - Cuiabá-MT - 78050-000 comercial@expovarejo.com.br | Fone: (65) 3057-5200

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

"MOÇAMBIQUE: Jornalistas ameaçados de morte em Inhambane"

defaultJornalistas da rádio comunitária de Morrumbene, na província de Inhambane, dizem ter recebido ameaças de morte da comandante distrital da polícia e estão agora em parte incerta. MISA-Moçambique está a acompanhar o caso. A perseguição de jornalistas começou depois da rádio comunitária Milênio FM ter divulgado uma informação sobre roubos protagonizados por uma quadrilha que alegadamente integrava um agente da Polícia da República de Moçambique (PRM) afeto ao comando distrital.
O grupo acuava nos distritos de Maxixe e Morrumbene, onde assaltava residências e instituições do Estado. Na semana passada, um dos integrantes da quadrilha foi apanhado na posse de vários electrodomésticos, roubados na cidade de Maxixe, e acabou por denunciar o agente. Os bens furtados eram guardados na residência de um membro da PRM em Morrumbene, segundo revelou. A notícia divulgada pela rádio irritou Rachel Júnior, comandante da PRM, facto que levou os jornalistas a abandonar a estação emissora e as suas residências com medo de represálias, contaram fontes contatadas pela DW África e que solicitaram o anonimato. Esses jornalistas encontram-se atualmente em parte incerta.
"Comandante não é digna do cargo"
O caso está a ser acompanhado pelo Instituto de Comunicação Social da África Austral em Moçambique (MISA-Moçambique). "Esta comandante não é digna do cargo que está a ocupar, não tem perfil para ser comandante", afirma Lázaro Mabunda, oficial de programas do MISA-Moçambique. "Ela está a proteger determinadas pessoas envolvidas neste tipo de caso", acusa.Ernesto Saul, representante do Fórum Nacional de Rádios Comunitárias (FORCOM), diz que a comandante da PRM recusou-se a apresentar um desmentido depois da publicação da notícia, como está previsto na lei de imprensa. "Tivemos garantias, inclusive da própria comandante distrital, no último domingo, que para ela este caso já teria sido ultrapassado", explica."E havendo cenários de ameaças de morte, o próprio comando distrital estava aberto em ajudar nas investigações para se apurar os autores destas ameaças".
Boas relações entre governo e rádio A administradora do distrito de Morrumbene, Elsa da Barca, disse à DW África que as relações entre o governo local e a rádio comunitária são boas. "A rádio é nossa, do governo, não temos conflitos com a rádio porque é através da rádio que nós divulgamos o trabalho que fazemos. Não existe nenhum conflito e nem vai existir", garante. O porta-voz do comando provincial de Inhambane, Juma Aly Dauto, não quis prestar qualquer esclarecimento sobre o assunto. A DW África também tentou, sem sucesso, ouvir o coordenador da rádio e os jornalistas.
Luciano da Conceição (Inhambane)/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário