Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

terça-feira, 10 de outubro de 2017

"Nilson Leitão diz ao presidente Temer que vai pedir suspensão da cobrança de pedágio na BR-163"

Resultado de imagem para nilson leitãoO deputado federal Nilson Leitão (PSDB-MT) participou de encontro da bancada mato-grossense com o presidente da República, Michel Temer, na tarde desta segunda-feira (9), para tratar da concessão da BR-163, cujo contrato prevê a duplicação de 850,9 quilômetros, além da conservação, construção de trevos, pontes, viadutos e entroncamentos na rodovia. O parlamentar expôs a preocupação com a demora nas obras e a reclamação constante de usuários da rodovia, sobretudo, com o valor do pedágio. “Estarei protocolando na Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), no Tribunal de Contas da União (TCU) e na Procuradoria Geral da República (PGR) o pedido de suspensão da cobrança de pedágio da BR-163 pela falta de obras, principalmente na região Norte de Mato Grosso, onde a concessionária mantém trabalho de guincho e ambulância, mas o pedágio é muito caro para atender só isso. É necessário iniciar as obras”, disse Leitão. A concessão da BR-163 para a Rota do Oeste, empresa do grupo Odebrecht, aconteceu em 2014 prevendo investimento de R$ 6,8 bilhões ao longo dos 30 anos do contrato em que as obras de duplicação - compartilhada entre a Rota do Oeste (453 quilômetros) e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) (400 quilômetros), deveriam ser entregues em 2019. O cronograma está atrasado e o quadro pode ficar ainda pior se aprovada a Medida Provisória 800 (Reprogramação de investimentos em concessões rodoviárias federais), que prevê aumentar de 5 para 14 anos o prazo para conclusão das obras de duplicação de rodovias.
Assessoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário