Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

MRV ENGENHARIA

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

sábado, 11 de novembro de 2017

"Encontro Nacional de Direitos Humanos estabelece pauta prioritária para o setor"

Demarcação de terras indígenas e quilombolas, políticas para menores que cumpriram medidas socioeducativas e combate à violência contra as populações LGBT estão entre os temas definidos.
Especialistas em direitos humanos pediram, nesta quinta-feira (09), que o governo federal adote políticas públicas de demarcação de terras indígenas e quilombolas.
Eles defenderam a manutenção do decreto 4887/03, que define regras para a demarcação de terras ocupadas por remanescentes de comunidades quilombolas.
Em 2004, o DEM entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) questionando a validade do decreto. A questão ainda é discutida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que pode julgar a constitucionalidade da medida nos próximos dias. 

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Encontro Nacional de Direitos Humanos 2017
Deputado Paulão (C), durante o encerramento do encontro, reclamou da pauta anticivilizatória da Câmara
Durante encerramento do Encontro Nacional de Direitos Humanos 2017, o deputado Paulão (PT-AL) repudiou a derrubada do decreto.
“Isso seria um caos social para centenas e milhares de comunidades. A questão da luta agrária e a violência no campo que aumentou somadas a uma pauta reativa nesta Casa, onde você tem uma pauta anticivilizatória”, reagiu o parlamentar que preside a Comissão de Direitos Humanos da Câmara.
Especialistas e parlamentares que participaram do evento também cobraram do Executivo políticas de acesso à educação e ao trabalho direcionadas a adolescentes que cumpriram medidas socioeducativas.
“Cada vez mais aceita-se como natural que existam vidas matáveis, que a cada momento são seletivamente escolhidas pelo sistema de morte”, diz a carta de intenções elaborada pelas comissões de Direitos Humanos da Câmara, de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado e pelo Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH), em conjunto com a sociedade civil.
Eles condenaram a aprovação das propostas do pacote de segurança pública, entre elas o Projeto de Lei 2862/04que retira do Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40) o atenuante obrigatório da pena para agentes menores de 21 anos. O texto foi aprovado nesta terça-feira (07) pelo Plenário da Câmara.
O deputado Wadih Damous (PT-RJ) repudiou a aprovação dessa medida. “Propostas como essa passam despercebidas, só se começa a perceber os efeitos quando os verdadeiros destinatários, que são os nossos jovens negros e pobres, favelados começam a sentir na pele”, disse.
Minorias
O grupo de especialistas também sugeriu a criação de banco de dados com informações sobre homicídio, lesão corporal, bullying e outras formas de violência contra as populações LGBT. 

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Encontro Nacional de Direitos Humanos 2017
Ativistas LGBT dizem que momento é de recrudescimento da intolerância
Para o ativista dos direitos de LGBTI, Toni Reis, o momento atual é de recrudescimento da intolerância contra negros, mulheres, e sobretudo a comunidade LGBTI.
“Há um caso recente, no interior de São Paulo, de um irmão que foi defender a irmã por ser transexual e acabou sendo barbaramente assassinado. É esse tipo de violência que precisamos combater”, alertou.
Já a diretora de direitos humanos na Prefeitura de Nova Iguaçu (RJ), Deyse Marcelo, condenou o enfraquecimento da garantia à liberdade religiosa
“Nós temos diferentes terreiros de matriz africana, umbanda e candomblé, sendo depredados e destruídos por traficantes armados que se auto intitulam 'Traficantes de Cristo’. Não só depredam, como proíbem, nesses terreiros, os pais e mães de santo de realizarem seus preceitos, realizarem o seu culto”, relatou a psicóloga.
Outra questão destacada foi a garantia dos direitos da população em situação de rua, como forma de combater “violações e extermínios” cometidos contra essas pessoas. Para tanto, os especialistas apoiaram o Projeto de Lei 5740/16, do deputado Nilto Tatto (PT-SP), que institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua.
Reportagem - Emanuelle Brasil
Edição - Geórgia Moraes

Nenhum comentário:

Postar um comentário