CONVERSA AFIADA

Vereador RODRIGO ZAELI do PSDB-MT

Vereador RODRIGO ZAELI do PSDB-MT
Câmara Municipal de Rondonópolis R. Cafelândia, 434 – La Salle, Rondonópolis – MT, 78710-050 (66) 3422.7554 | (66) 99900.5757 atendimento@rodrigodazaeli.com.br

"Todos no combate a Dengue"

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo, Cuiabá - MT, 78049-901 Telefone: (65) 3313-6900

TCE MT GESTÃO NOTA 10

domingo, 14 de janeiro de 2018

"ARTIGO: A esquerda e o futuro do país"

Paulo Rubem Santiago"Necessitamos de mais democracia, direta, efetiva, consciente, não um simulacro que se repete a cada dois anos numa urna eletrônica, enquanto as decisões mais importantes, aquelas na economia e nas políticas sociais, são tomadas à margem do conhecimento e da opinião do povo". Não bastam as oscilações positivas na economia para abdicarmos das lutas pela transformação da nação brasileira. Podemos produzir mais, gerar mais empregos, mas ainda haverá milhões de brasileiros nas favelas, chacoalhando horas e horas num transporte público péssimo. Ainda haverá milhões de mulheres mal atendidas nas maternidades, idosos ameaçados pela atual reforma da Previdência, o extermínio de nossa juventude pobre e negra, e a renda do trabalho, formal ou não, se arrastando em percentuais irrisórios da riqueza nacional. E o poder? Estará nas mãos de poucos, filhos e netos das velhas oligarquias, cidades e estados inteiros sob o domínio dos que se eternizam no comando da administração pública, famílias cujos patrimônios só fazem crescer a cada gestão enquanto os indicadores sociais do povo dessas cidades e desses estados patinam entre os piores do País e do continente. Por isso não podemos calar e as desigualdades não podem ser maquiadas, esquecidas ou omitidas, as engrenagens que geram a concentração da riqueza e do poder no país não podem permanecer intocáveis, com meros ajustes no que produzem para cada brasileiro. Necessitamos de mais democracia, direta, efetiva, consciente, não um simulacro que se repete a cada dois anos numa urna eletrônica, enquanto as decisões mais importantes, aquelas na economia e nas políticas sociais, são tomadas à margem do conhecimento e da opinião do povo. As elites complicam o discurso econômico para divorciá-lo do cidadão comum e mesmo das classes médias letradas, mas alienadas dos rumos de seu próprio país. Nessa empreitada associam-se poderosos veículos de comunicação, consultores financeiros e até, pasmem, centros universitários, por exemplo, vendendo à opinião pública a farsa do tal “impostômetro”, o ataque virulento à carga tributária, omitindo, óbvio, para fazer valer seus interesses, a natureza dos impostos e contribuições vigentes, suas alíquotas, bem como quem atingem equem passa ao largo de suas normas.Frente a esse quadro secular, uma fração expressiva da esquerda, sob a hegemonia do PT, chegou ao governo em 2002. Governou até 2016, afastada por um golpe travestido pela defesa da “responsabilidade fiscal”, mas caminhou, até então, acada dia, mais desfigurada e mais parecida, nos métodos e nas escolhas, com as velhas oligarquias, até nas relações público-privadas de apropriação das finanças do estado segundo seus próprios interesses.
Após 2016 vimos que os arautos da ética estavam apenas fantasiados enquanto tal tamanha a relação de seus líderes com a corrupção, denunciados pela Procuradoria-Geral da República. O patronato pró-impeachment teve alguns dos seus líderes também regiamente financiados em campanhas pelas maiores empreiteiras do caixa dois. Hoje, na agenda de seus interesses, o boleto que Temer tenta pagar em troca do apoio deles recebido ao golpe, quer mais da riqueza para si, na produção e nas finanças públicas. Por isso ataca as leis trabalhistas, a Previdência atual e os gastos sociais, em nome da sustentabilidade da dívida pública por dentro do PIB. Nosso rumo para sair disso é pela esquerda, num novo projeto, pelas reformas estruturais, pela progressividade da tributação, por mais democracia direta, pela profissionalização do estado e sua capacidade de planejamento e investimento retomados.
A desigualdade e a violência que nos assolam não são obras do acaso, mas da omissão e do descaso de quem se esquiva de enfrentá-las adequadamente. Eis nosso dever cidadão.
Paulo Rubem Santiago é professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e faz atualmente mestrado em Educação. Foi vereador do Recife, deputado estadual e deputado federal (de 2003 a 2014). Criador da Frente Parlamentar de Combate à Corrupção, é filiado atualmente ao Psol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário