Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

BOLSONARO X CLASSE TRABALHADORA

BOLSONARO X CLASSE TRABALHADORA
BOLSONARO NÃO!

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

"ARTIGO: Meu coração deu PT"

Resultado de imagem para Paulo José Cunha é professor, jornalista e escritor."Combinado, meu bem, vou lhe fazer uma pergunta. Se você acertar, eu compro seu ingresso para o show do Wesley Safadão. Lá vai: quem disse a frase 'Quem sou eu para dar palpite sobre decisão judicial?' Eu digo a resposta correta lá no final, tá?" Combinado, meu bem, vou lhe fazer uma pergunta. Se você acertar, eu compro seu ingresso para o show do Wesley Safadão. Lá vai: quem disse a frase “Quem sou eu para dar palpite sobre decisão judicial?” Eu digo a resposta correta lá no final, tá? Claro que hoje o assunto é o que tomou conta do país e ameaça incendiar a sede do Tribunal Regional Federal da 4ª Região em Porto Alegre, onde Lula será julgado. Ele foi condenado em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro a nove anos de cadeia por ter supostamente recebido da construtora OAS a doação ilícita de um tríplex no Guarujá, no valor de R$2,76 milhões. Esta é a decisão que o tribunal pode manter ou revogar. Há outras. Moro ainda analisa mais oito acusações: 1) Lula seria dono de um sítio em Atibaia, recebido como propina da Odebrecht/OAS. Foi lá que acharam aqueles pedalinhos com os nomes dos netos dele; 2) o Instituto Lula teria recebido como propina da Odebrecht um terreno para a construção de sua nova sede e a mesma construtora teria pago o aluguel de um apartamento ao lado do de Lula em São Bernardo; 3) Lula seria conivente com Dilma que tentou nomeá-lo ministro só para atrapalhar as investigações, na época daquela história do “Ô, Lula, eu estou mandando aí o Bessias!”; 4) Lula teria interferido para evitar a delação de Cerveró, que teria recebido uma grana pra não fazer delação. O filho de Cerveró também teria recebido uma ajuda mensal de Lula; 5) Lula teria arrecadado propina em órgãos públicos, inclusive a Petrobras; 6) Lula teria usado o Instituto Lula pra receber propinas de empreiteiras, a título de realização de palestras, com retribuição na indicação de obras, como a do porto de Mariel, em Cuba, executada pela Odebrecht, para a qual o BNDES financiou US$682 milhões; 7) Lula teria favorecido a Odebrecht viabilizando empréstimos para obras internacionais, segundo revelação de Emílio Odebrecht em delação premiada; 8) Lula teria editado Medida Provisória beneficiando montadoras e facilitado a negociação de compra de aviões de combate. As acusações vão de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, obstrução de justiça, patrocínio infiel, exploração de prestígio, organização criminosa até tráfico de influência. É acusação pra mais de metro! A que vai ser julgada no dia 24 é só a primeira. O rapapé em torno do julgamento não tem nada a ver com prisão, que não vai rolar, segundo as previsões. Deve-se ao fato, isto sim, de que, se condenado, teoricamente Lula não participaria da eleição. Teoricamente, escrevi, porque é conhecida a lerdeza do TSE, a quem cabe dar a palavra final. E, é claro, a justiça eleitoral pode deixar pra decidir apenas depois da eleição.
Teoria da conspiração. E bota conspiração nisso!
Será que vale discutir o mérito da causa a ser analisada dia 24? Não, porque isso é ocupação de juiz, que julga com base nos autos, nas provas, nos indícios, nas perícias. Quem julga politicamente é o Congresso, quando cassa um/a presidente. Ou de uma assembleia, quando cassa um governador. A menos que concordemos com a existência de uma gigantesca teoria da conspiração pela qual Lula teria sido levado às barras dos tribunais exclusivamente porque é preciso tirá-lo da disputa. Difícil acreditar que o Judiciário brasileiro, na sua totalidade, se preste a um papel desses. E não haja um – um só juiz, entre os milhares, e há vários deles que são petistas – que denunciasse tal canalhice. Sem deixar de reconhecer, é claro, a existência de politização aguda em atitudes como a de Moro quando ordenou a condução coercitiva e desnecessária de Lula. Ou naquele power-point tendencioso do Dallagnol, com a foto de Lula no centro da “organização criminosa”. Ou mesmo nos “vazamentos seletivos” da Lava Jato etc, etc, etc. E bota etc nisso. Pressentindo um resultado desfavorável, os petistas estão entrando de sola, convocando a militância pra chutar o pau da barraca em Porto Alegre. Um deles, o sindicalista Urias Rocha, do PCdoB, propôs “começar a estourar a cabeça de coxinha, de juiz, mandar esses golpistas pro inferno”. Foi desautorizado e desligado da legenda. Em compensação a própria presidente do PT, senadora Gleisi Hofman (também enrolada na Lava Jato), arrepiou-se e acusou os juízes de descerem “ao play da política”, ou seja: acusou-os de agirem politicamente no julgamento (que ainda nem ocorreu!) da denúncia. E ameaçou, com a faca nos dentes: “Para prender Lula vai ter de prender muita gente, e vai ter de matar!”
Incentivo ao crime é crime
Desde que me entendo por gente ouço dizer que decisão judicial se discute, sim. Mas, primeiro, se cumpre. Aí recorre ao bispo ou ao Papa Francisco, se achar que deve. Agora, tentar impor um resultado na marra – “absolvição é o único resultado capaz de resgatar a seriedade da justiça brasileira”, “Se Lula for condenado tem que morrer gente!” (Gleisi Hofman) – soa como ameaça inadmissível. Ou um habeas-corpus preventivo para posicionar o partido na trincheira eleitoral. Os petistas têm todo o direito de irem a Porto Alegre se manifestar favoravelmente ao seu líder. Mesmo direito que têm os coxinhas de se manifestarem contra Lula. Faz parte do ritual democrático, mas que sejam manifestações pacíficas, caso contrário é crime insuflar a militância para a barbárie, para “estourar cabeça de coxinha”, para o “vai ter de matar”. A imunidade parlamentar não cobre um despautério desse, mesmo sob a alegação de que é apenas arroubo de retórica de quem tem o narizinho arrebitado.
Me enganei de novo, quebrei a cara
Ah, meu bem, você está pensando que eu esqueci. Esqueci não, meu dengo. Mas desconfio que não vai ser desta vez que você vai bater palmas pro Safadão. Sabe quem disse “Quem sou eu para dar palpite sobre decisão judicial?” Pois foi o ex-presidente Lula em junho do ano passado, ao saber do resultado do julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que manteve na presidência o pai do Michelzinho, aquele senhor que mora no Jaburu, onde recebe na garagem os Wesleys da vida, e anda com a popularidade abaixo do pré-sal. Coincidência, né, meu xamego? Não sei por quê, mas de repente me lembrei de uma música do chato do Safadão que ouvi no rádio outro dia. A letra dizia, a certa altura: “Me enganei de novo, quebrei a cara/ Mais uma vez, eu tomei porre por você/ Mais uma vez, meu coração deu PT”.
Paulo José Cunha é professor, jornalista e escritor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário