A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.

A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.
Av. Historiador Rubens de Mendonça, 2.368 - Sala 104 Bosque da Saúde - Cuiabá-MT - 78050-000 comercial@expovarejo.com.br | Fone: (65) 3057-5200

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

"Câmara paga passagem aérea de até R$ 45 mil para viagem oficial de deputado"

Compradas e pagas pela Câmara, mas custeadas com dinheiro público, as passagens para deputados em missões oficiais neste mandato já custaram R$ 7,6 milhões, em valores atualizados, aos cofres públicos. No período de janeiro de 2015 até o momento, a viagem mais cara custou R$ 45,5 mil, teve duração de quatro dias e foi paga para que o deputado baiano Claudio Cajado (DEM) fosse ao Casaquistão e à Georgia. Junto com Cajado, o também baiano Antonio Imbassahy (PSDB) viajou ao custo de R$ 45,3 mil para o mesmo destino. A viagem foi realizada em dezembro de 2015. O levantamento foi feito e publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, nesta segunda-feira (15), que, com base na Lei de Acesso à Informação, obteve os dados sobre viagens oficiais compradas e pagas pela Casa. Atualmente, os deputados também têm direito a passagens para voltar a seus Estados. No entanto, essas são compradas pelos próprios congressistas com dinheiro da cota parlamentar. Na época da viagem, Cajado era procurador legislativo e Imbassahy líder do partido. Devido aos cargos ocupados, os dois tiveram direito a classe executiva. O regimento interno da Câmara também concede o direito a ocupantes de outros cargos, como membros titulares da Mesa Diretora e presidentes de Comissões Permanentes. “Nenhum de nós tem interesse de comprar passagem mais cara”, disse Cajado ao jornal. Imbassahy justificou que “foram cumpridos todos os requisitos estabelecidos pela Câmara para participação em missões oficiais”. Conforme o levantamento feito pelos repórteres Marianna Holanda, Adriana Ferraz e Cecília do Lago, desde 2015, foram 1,4 mil viagens oficiais bancadas pela Casa. De acordo com os dados, o deputado José Rocha (PR-BA) teve o terceiro maior bilhete aéreo pago pela Câmara. O parlamentar foi um dos onze congressistas da delegação especial a Hanói, no Vietnã, para a 132.ª Assembleia da União Interparlamentar. Questionado pelo jornal, ele alega não ter controle do preço. “Eu vou saber de preço? Viajei, mas não fui eu quem comprou”, protestou. No ranking das passagens mais caras, o deputado Felipe Bornier (PROS-RJ) ficou com a quarta colocação. Sua passagem custou R$ 42,8 mil. Também em sua defesa, o deputado alega ter feito uma viagem com resultados. “Essa viagem que a gente fez, inclusive, conseguiu retornar a importação de carne do Brasil (pela Rússia)”, defende-se. O deputado paranaense Alex Canziani (PTB-PR) ficou em quinto lugar. Em 2015 ele foi aos Estados Unidos para um evento da Fundação Lemann, com outros brasileiros para discutir o País. Como à época era secretário da Mesa, teve direito a uma passagem na classe executiva, de R$ 37,9 mil. Canziani disse ao jornal que “viagens podem abrir horizontes”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário