Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

"O primeiro ato do ano eleitoral brasileiro"

Lula em comício em Brasília: ex-presidente insiste me tática de enfrentamento com a Lava JatoTrio de juízes analisa recurso que deve indicar destino de Lula, de sua campanha – e da política nacional. Mesmo com sentença desfavorável, ex-presidente ainda pode ganhar tempo para manter candidatura. Os olhos do mundo político brasileiro se voltam às 8h30 desta quarta-feira (24/01) um tribunal em Porto Alegre. Pouco mais de seis meses após a sua condenação pelo juiz Sérgio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá seu recurso julgado por um turma de três magistrados.
Longe de ser um mero julgamento criminal, o procedimento se tornou uma das datas-chave do calendário eleitoral deste ano. A decisão dos juízes deve indicar qual será a estratégia jurídica e política do petista de agora em diante. Favorito nas pesquisas eleitorais, o ex-presidente se vê ameaçado de ter sua candidatura barrada caso seja enquadrado na Lei da Ficha Limpa e ainda corre risco de ser preso dependendo do desfecho do julgamento.Já para a Lava Jato, o resultado deve indicar se a operação ainda mantém fôlego, após quase quatro anos de atuação contra o mundo político. Em julho passado, a primeira condenação de Lula já havia garantido um feito inédito para os responsáveis: pela primeira vez na história brasileira um ex-presidente da República recebeu um sentença desfavorável em julgamento criminal. Não foi uma condenação trivial de um político caído em desgraça ou de algum ex-diretor da Petrobras, mas a de um líder que ainda conta com uma base de apoio ampla e uma militância fiel, além de aparecer com mais de 30% das intenções de voto na próxima eleição presidencial. A importância do processo foi sentida pelos próprios juízes do caso. Pela primeira vez na história do Tribunal Regional Federal da 4º Região, um julgamento criminal será transmitido ao vivo pelo canal do tribunal no Youtube. Militantes do PT pretendem organizar protestos e já começaram a se deslocar para a capital gaúcha. Declarações de vários petistas levantaram o temor de que possa ocorrer episódios de violência dependendo do desfecho do julgamento. A presidente do partido, Gleisi Hoffmann, chegou a afirmar na semana passada que "para prender o Lula, vai ter que matar gente", mas depois minimizou a fala. Apesar do barulho, no entanto, a militância petista passou os últimos anos na defensiva e em episódios anteriores como a primeira condenação de Lula e o impeachment de Dilma Rousseff sua atuação passou longe da retórica incendiária.
Possíveis desfechos
Apesar de as circunstâncias apontarem para um "Dia D" na política nacional e para o próprio Lula, qualquer que seja o resultado desta quarta-feira, o debate sobre o futuro do ex-presidente e do seu papel nas próximas eleições não deve ser encerrado no mesmo dia. Caso nenhum juiz faça um pedido de vista – o que pode levar a um adiamento –, há efetivamente três desfechos possíveis que podem ser conhecidos nesta quarta-feira: absolvição, a condenação por unanimidade ou a condenação por dois votos a um. Mesmo os cenários de condenação não respondem de maneira definitiva se Lula pode ser efetivamente preso num futuro próximo e se a sua candidatura à Presidência poderá ser mantida. Dessa forma, a indefinição sobre o cenário nas eleições de 2018 deve se manter. De efeito prático imediato, os três juízes do caso vão analisar se a sentença de nove anos e seis meses de prisão decidida pelo juiz Sérgio Moro, que em julho do ano passado considerou Lula culpado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, deve ser mantida. Para o Ministério Público, Lula recebeu um apartamento tríplex no Guarujá (SP) como propina de uma empreiteira em troca de contratos com a Petrobras. Caso seja absolvido por três votos a zero ou dois votos a um, Lula não enfrentará nenhum empecilho imediato para concorrer à Presidência. O Ministério Público Federal poderia apresentar um recurso para o Superior Tribunal de Justiça ou Supremo Tribunal Federal, mas o novo julgamento provavelmente não seria analisado antes do pleito. Em quase quatro anos de Lava Jato, nem o STJ nem o STF encerraram qualquer julgamento no âmbito da operação. Absolvido, Lula provavelmente receberia um impulso em sua campanha eleitoral, apesar de outros processos que correm contra ele. Caso seja condenado, a situação de Lula se complica, mas ainda não ao ponto de ser possível decretar que ele estará fora do páreo. O pior cenário para Lula seria uma condenação por 3 a 0. Neste caso, as opções para recorrer da nova condenação seriam menores, e as chances de prisão aumentariam. Isso porque só restaria à defesa mover embargos de declaração – um pedido de esclarecimento da sentença – que costuma ter trâmite rápido e sem possibilidade de revisão da sentença.
Jean-Philip Struck/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário