A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.

A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.
Av. Historiador Rubens de Mendonça, 2.368 - Sala 104 Bosque da Saúde - Cuiabá-MT - 78050-000 comercial@expovarejo.com.br | Fone: (65) 3057-5200

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

domingo, 11 de fevereiro de 2018

"EUA oferecem a Brasil e Colômbia ajuda com venezuelanos"

Migrantes se acumularam durante horas na fronteira Venezuela-ColômbiaSubsecretário Palmieri afirma que EUA proporcionam assistência a migrantes e refugiados, mas é melhor "mantê-los perto da fronteira", para que possam retornar. E lamenta Nicolás Maduro ter rejeitado ajuda humanitária. Os Estados Unidos afirmaram nesta sexta-feira (09/02) que estão dispostos a oferecer ajuda técnica e humanitária à Colômbia e ao Brasil para prestar atendimento aos imigrantes venezuelanos acorrem em grande número a esses países, devido à crise política e social na Venezuela. 
O subsecretário de Estado para o Hemisfério Oeste, Francisco Palmieri, abordou o assunto durante uma entrevista coletiva sobre a primeira viagem do chefe da diplomacia americana, Rex Tillerson, pela região. Palmieri afirmou que os EUA proporcionam assistência "técnica e humanitária" aos "migrantes e refugiados" venezuelanos. O funcionário acredita ser melhor "mantê-los perto da fronteira com a Venezuela, pois eles querem voltar para casa quando a democracia for restaurada em seu país". Além disso, Palmieri ressaltou que, apesar de a Colômbia e o Brasil estarem recebendo o maior número de venezuelanos, o problema é uma "questão regional", pois os migrantes também estão chegando "a Curaçao, Aruba, Lima, Buenos Aires e Santiago do Chile". O subsecretário lamentou o fato de o presidente venezuelano Nicolás Maduro não permitir a entrada da ajuda humanitária oferecida tanto pelos Estados Unidos como por outras nações da região. "Se Maduro permitisse que a assistência de alimentos e serviços médicos chegasse ao povo da Venezuela, poderíamos ter um impacto direto", afirmou o subsecretário, embora ressalvando que "os Estados Unidos sempre farão sua parte".
Tensão nas fronteiras
Milhares de venezuelanos que nesta sexta-feira tentaram entrar na Colômbia pela passagem de Cúcuta viveram momentos de tensão na ponte internacional Simón Bolívar, onde começaram a funcionar os novos controles de acesso, anunciados na véspera pelo presidente colombiano, Juan Manuel Santos. Para tentar conter o fluxo migratório, tornou-se obrigatório carimbar o passaporte na entrada do país e suspendeu-se a emissão de Cartões de Mobilidade Fronteiriça. Com a crise, chegaram à Colômbia cerca de 550 mil venezuelanos, aos quais se somam outros 37 mil a cada dia, muitos em busca de alimentos e medicamentos. Essa situação levou tanto a ONU como os EUA a oferecerem ajuda à Colômbia. No Brasil, o governo estadual de Roraima, que faz fronteira com a Venezuela, declarou em dezembro estado de "emergência social" para atender à crise provocada pelo elevado número de imigrantes venezuelanos que chegaram nos últimos meses. De acordo com números oficiais, entre janeiro e setembro de 2017 12.193 venezuelanos solicitaram asilo no Brasil, após ingressarem pela fronteira de Roraima. Esse número de requerimentos é mais de cinco vezes maior do que o acumulado nos últimos dois anos.
AV/efe,lusa/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário