A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.

A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.
Av. Historiador Rubens de Mendonça, 2.368 - Sala 104 Bosque da Saúde - Cuiabá-MT - 78050-000 comercial@expovarejo.com.br | Fone: (65) 3057-5200

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

"Pesquisa revela que 86% das jornalistas já sofreram algum tipo de assédio"

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) e o portal Gênero e Número divulgaram esta semana a pesquisa “Mulheres no Jornalismo”, feita com 500 profissionais de 217 veículos de todo o Brasil, que apontou para a presença de atitudes sexistas em relações às jornalistas dentro e fora das redações.Os números chamam atenção. No Brasil, 86% das jornalistas afirmam que já passaram por pelo menos uma situação de discriminação de gênero no trabalho. Entre as entrevistadas, 70% dizem já ter presenciado ou tomado conhecimento de assédio a colegas mulheres no ambiente de trabalho. Quase 60% afirmaram também ter sentido alguma vez que ser mulher lhes prejudicou na distribuição de tarefas, enquanto 39% viram barreiras para a obtenção de uma promoção. De acordo com o documento divulgado, “o mercado jornalístico mudou significativamente nas últimas décadas e a proporção de homens e mulheres nas redações se tornou mais equilibrada". Mas a mudança ainda é lenta, já que 65% das entrevistadas disseram haver mais homens em cargos de chefia nos veículos de comunicação. O assédio das fontes no exercício do trabalho jornalístico também foi abordado na pesquisa. Cerca de 70% das entrevistadas disseram que se sentiram desconfortáveis com comentários sobre sua aparência recebidos durante uma entrevista ou apuração de reportagem. Já 46,3% relataram "cantadas" vindas de colegas homens, 36,9%, de fontes masculinas e 27,9% ouviram de um superior hierárquico. Daquelas que sofreram algum tipo de assédio, apenas 15% comunicaram à empresa a situação. Das entrevistadas, 30% disseram que seus veículos possuíam canais para receber e responder às denúncias. A recomendação da Abraji e do site Gênero e Número é que se produzam cartilhas para funcionários e colaboradores definindo o assédio cometido por uma fonte e indicando os procedimentos a serem adotados pelas repórteres quando forem vítimas desses atos. O documento, também sugere que as redações criem um canal de comunicação interno para que vítimas de abuso e assédio possam fazer denúncia formal.
Abraji/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário