Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

"Prefeitura de Cuiabá - Trabalhando e cuidando da gente"

Todos juntos contra a dengue

segunda-feira, 5 de março de 2018

"Alckmin entra no jogo"

Crédito: Diogo MoreiraO tucano, pela primeira vez, fala e age como candidato e, aos poucos, começa a dar pistas do programa econômico que irá adotar caso alcance o Planalto.O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, cultiva um cacoete retórico que guarda relação direta com sua personalidade. Gosta de falar pausadamente dando ênfase às sílabas, as quais pronuncia de maneira separada, quase didática – algo que jamais uma pessoa hiperativa faria. Alckmin é assim. Para ele, tudo a seu tempo. Pois ele decidiu que, agora, – não antes, como queriam caciques tucanos, – é o momento de entrar no jogo sucessório ao Planalto.
Em 7 de abril, quando se desincompatibilizar do cargo de governador para virar oficialmente candidato a presidente, Alckmin terá passado 4504 dias no comando do estado que reúne quase 25% do eleitorado brasileiro – um recorde.
A aprovação de quase 55% dos paulistas, avalia o tucano, o credencia para mostrar ao País que, se ajudou São Paulo a se desenvolver, pode fazer o mesmo pelo Brasil.Em geral mais reservado, o tucano começou a baixar suas cartas. Embora bem avaliado em áreas críticas, como saúde e segurança, Alckmin preferiu, no início da largada, dar pistas do caminho que seguirá no plano econômico, caso seja eleito presidente: prometeu adotar em seu programa de governo o liberalismo como a linha mestra do desenvolvimento. O plano já está sendo alinhavado pelo banqueiro Pérsio Arida, um dos pais do Real. A idéia é acabar com a “gastança de dinheiro público” e privatizar tudo o que for viável para deixar a máquina pública mais leve e eficiente. Retomando o discurso interrompido pela derrota para Lula em 2006, ele adiantou que venderá a Petrobras e até a Caixa, deixando de fora, num primeiro momento, o Banco do Brasil. Se em 2006 ele perdeu as eleições porque vacilou na defesa das privatizações no segundo turno, desta vez ele desfralda a bandeira das parcerias, concessões e privatizações, como a principal saída de prosperidade e geração de empregos para um estado falido como o brasileiro – um discurso em sintonia com o espírito do tempo e os reclamos de uma sociedade enfastiada do que se convencionou chamar de Estado-babá, gigante, excessivamente interventor e ao mesmo tempo ineficiente e corrupto.
Sem concorrentes
Considerado um conciliador, Alckmin passou a se sentir mais à vontade para falar de seu projeto nacional depois que o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), anunciou a desistência de concorrer às prévias do partido contra ele para a escolha do candidato a presidente da República. A peleja seria realizada em março. Sem a menor chance de vitória, Virgílio jogou a toalha. Sem opositor internamente, e com a desistência de fortes concorrentes tidos como forasteiros, como o apresentador Luciano Huck, Alckmin pode, finalmente, falar com maior segurança sobre seus planos.O caráter liberal de seu programa econômico foi reforçado por outras duas indicações fornecidas pelo governador na última semana. A primeira delas: é provável que manterá no cargo, caso chegue ao Planalto, o atual presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn. A outra é que ele deverá fazer um governo reformista, concluindo o que o governo Temer não teve condições de levar adiante – num recado claro ao mercado. Dessa forma, Alckmin promete, logo no primeiro ano de seu eventual governo, montar um tripé com três reformas estruturantes e consideradas por ele como essenciais: as reformas política, tributária e previdenciária. Na reforma política, o tucano quer que as mudanças democratizem o acesso às urnas, já que na eleição de 2016 pelo menos 23 milhões de eleitores deixaram de votar. Em matéria de reforma tributária, ele deseja simplificar os cinco importantes tributos hoje, transformando-os em imposto único. Na Previdência, Alckmin vislumbra estabelecer o regime geral, já que o sistema atual é considerado por ele injusto, em que o trabalhador de baixa renda acaba sustentando as aposentadorias milionárias do Executivo, Judiciário e Legislativo.
Além de falar como candidato, Alckmin também passou a agir como tal. Na última semana, o governador esteve em Barretos, para inaugurar um centro para idosos e um restaurante popular, em Taubaté, para inaugurar um novo trecho de rodovia, e, em Congonhas, a fim de vistoriar uma nova estação do Metrô. Para quem, até bem pouco tempo, resistia a vestir o figurino de aspirante à cadeira presidencial, tratou-se de um movimento e tanto. Sem dúvida foi um bom começo.
Germano Oliveira
Foto Diogo Moreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário