Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

MRV ENGENHARIA

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

segunda-feira, 2 de abril de 2018

"Sisi é reeleito presidente do Egito com 97% dos votos"

O presidente do Egito, Abdel Fattah al-SisiResultado oficial confirma reeleição do líder egípcio para um segundo mandato. Participação nas urnas foi de apenas 41%, após um boicote da oposição. Único adversário, um aliado de Sisi, obteve menos de 3% dos votos. Abdel Fattah al-Sisi foi reeleito presidente do Egito com 97,08% dos votos válidos, segundo o resultado oficial das eleições presidenciais egípcias divulgado nesta segunda-feira (02/04). A participação no pleito da semana passada, no entanto, foi de apenas 41,05% dos quase 60 milhões de eleitores. O ex-comandante do Exército egípcio obteve quase 22 milhões de votos, enquanto seu único adversário, Musa Mustafa Musa, recebeu um pouco mais de 656 mil, somando 2,92% dos votos.
Musa, presidente do partido liberal Al Ghad, é considerado um aliado de Sisi. Ele não participou de comícios durante a campanha eleitoral e quase não fez propaganda para se tornar mais conhecido da população.
Candidatos fortes da oposição abandonaram a corrida eleitoral no início do ano. O principal adversário foi preso e seu gerente de campanha espancado, enquanto outros candidatos desistiram de concorrer sob circunstâncias obscuras.
Sisi defendeu que seu governo não teve qualquer envolvimento na retirada da oposição, e repetidamente apelou aos egípcios para que comparecessem às urnas, prometendo uma eleição justa. A oposição, por sua vez, convocou os eleitores a um boicote, classificando o pleito de "uma farsa".
A comissão eleitoral egípcia, ao divulgar o resultado das eleições nesta segunda-feira no Cairo, reiterou que a votação da segunda-feira passada foi livre e justa.
O baixo comparecimento às urnas, no entanto, representa um possível revés para Sisi, que dissera antes do pleito enxergar a votação mais como um referendo sobre sua presidência do que uma eleição genuína. A imprensa estatal descreveu a baixa participação como uma traição ao Egito.
Nas eleições presidenciais realizadas quatro anos atrás, Sisi fora eleito para seu primeiro mandato com a mesma porcentagem de votos, 97%, mas a participação fora de 47%.
Alguns eleitores disseram ter recebido incentivos, incluindo dinheiro e comida, para ir às urnas neste ano, mas sem especificar quem fez as ofertas, relatou a mídia local e internacional. Autoridades defenderam que, se isso aconteceu, não foi patrocinado pelo Estado e foi extremamente limitado.
Governo com mão de ferro
Sisi tomou o poder em julho de 2013, após a queda do então presidente, Mohammed Morsi. Em 2014, ele foi eleito presidente. Muitos egípcios consideram Sisi o "homem forte" que pôs fim ao caos após a derrubada do governante de longa data Hosni Mubarak por um levante popular, em 2001.
No entanto, grupos de direitos humanos acusam Sisi de ser ainda mais repressor que Mubarak. Isso e a contínua crise econômica, juntamente com aumentos consideráveis de preços, prejudicam a reputação do chefe de Estado, que também prometera estabilidade econômica.
O país do norte da África não conseguiu alcançar plena estabilidade desde as revoltas árabes em 2011, quando Mubarak foi derrubado. O primeiro presidente eleito democraticamente, em 2012, foi Morsi, o líder islâmico derrubado por Sisi, então comandante do Exército, um ano depois de uma série de protestos populares.
Sisi perseguiu os seguidores de Morsi e, desde 2014, governa o país com mão de ferro, reprimindo não somente a Irmandade Muçulmana e jihadistas mas também a oposição moderada, dessa maneira sufocando a sociedade civil, de acordo com organizações de direitos humanos.
EK/afp/dpa/rtr/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário