Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

BOLSONARO X CLASSE TRABALHADORA

BOLSONARO X CLASSE TRABALHADORA
BOLSONARO NÃO!

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

quarta-feira, 9 de maio de 2018

"Rodrigo Maia promete pautar urgência para projeto de Nilson Leitão que trata de invasões e reintegração de posse"

Em evento da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), na tarde desta quarta-feira (9), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), prometeu levar ao plenário ainda hoje, o pedido de urgência para a tramitação do Projeto de Lei 10010/2018, de autoria do deputado federal Nilson Leitão (PSDB-MT), que facilita a reintegração de posse em caso de invasão de imóveis urbanos e rurais. Durante o evento, Maia recebeu uma relação de projetos considerados prioritários para o setor produtivo, entre eles o de Nilson Leitão, ex-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária.

Rodrigo Maia destacou a importância do projeto de Nilson Leitão no sentido de garantir segurança ao setor produtivo. “É um projeto importante. A invasão no campo não pode ser tratada como uma coisa menor, como uma coisa banal. A gente precisa responder da forma correta. O agronegócio tem sido um setor fundamental para o crescimento do Brasil. Se ano passado o Brasil cresceu, cresceu porque a agricultura e a pecuária cresceram”, disse.
O projeto foi apresentado pelo parlamentar mato-grossense na primeira quinzena do mês passado criando o esbulho possessório coletivo. A lei também determina prazo para cumprimento de decisões judiciais de reintegração de posse, permitindo ao proprietário do imóvel o pedido de ajuda da autoridade policial.
O esbulho possessório coletivo é um crime considerado de maior gravidade do que o atualmente previsto no Código Penal. Assim, a pena passa a ser de 4 a 8 anos de reclusão e multa e amplia a pena no caso de invasão cometida individualmente, que passa de 1 a 6 meses de detenção para de 1 a 4 anos de reclusão.
Para Nilson Leitão, “A instabilidade gerada pela insegurança jurídica atrapalha a produção, a recuperação da economia e atrasa o país”.
Assessoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário