A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.

A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.
Av. Historiador Rubens de Mendonça, 2.368 - Sala 104 Bosque da Saúde - Cuiabá-MT - 78050-000 comercial@expovarejo.com.br | Fone: (65) 3057-5200

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

sexta-feira, 11 de maio de 2018

"We-rationality. Um outro paradigma para a economia é possível?

O conceito de we-rationality reorienta a percepção do ser humano como um ser coletivo e que avalia suas escolhas racionais compreendendo sua ação como parte coletiva. A Profa. Dra. Alessandra Smerilli é uma das pesquisadoras do tema, e tem como proposta desenvolver estudos para academia, empresários e trabalhadores que compreendam as relações produtivas como um serviço ao bem comum. A professora Smerilli é a conferencista de abertura do XVIII Simpósio Internacional IHU – A virada profética de Francisco: possibilidades e limites para o futuro da Igreja no mundo contemporâneo, sua palestra, objetiva expor as tendências sociais e econômicas do mundo contemporâneo.A universalização do homo economicus como modelo de ser-humano racional é uma das premissas no funcionamento do sistema capitalista. Portanto fazer leitura da economia com outro paradigma permite compreender outras relações de mercado. Assim, a we-rationality — racionalidade do “nós” — é um instrumento metodológico para análise econômica e o desenvolvimento de práticas voltadas à gratuidade e a reciprocidade dentro de uma economia de mercado.
Essas bases teóricas são o ponto principal de conflito para a finalidade das relações produtivas. Enquanto a escolha racional individualista determina a ação ao lucro, a we-rationality aponta à construção do bem comum, por valores humanos intrínsecos. A virada do paradigma analítico da economia, conduz superação do homo economicus como natural. Assim, importa inserir a gratuidade como prática da vida comum, ordinária, para que não se torne nem mesmo uma profissão, ou algo que gira em torno de si mesmo. “A gratuidade é um dom intrínseco da humanidade, mas afastada e ocultada pela estrutura econômica determinante do homem racional, que se impossibilita de guiar por coisas que não vê”, argumenta Smerilli em seu livro “L’altra metà dell’economia: gratuita e mercati” (A outra metade da economia: gratuidade e mercado, em português, tradução livre, não publicado no Brasil).
Para além da discussão teórica, grupos se organizam com o intuito de construir novas perspectivas para a economia. Um exemplo é o grupo que Alessandra Smerilli compõe: Economia de Comunhão (EdC). Construído a partir da realidade da desigualdade social brasileira analisada pela italiana Chiara Lubich, leiga, professora, e uma das fundadoras do Movimento dos Focolares. Instigada pelo contraste de prédios executivos e favelas em um mesmo cenário, Chiara propôs pensar uma economia de participação comum entre todos os sujeitos sociais: trabalhadores, empresários, consumidores, gestores públicos e pesquisadores, por uma cultura de comunhão: pela gratuidade e reciprocidade. Atualmente existem 6 polos da EdC sendo dois destes no Brasil (Cotia-SP e Iguarassu-PE) – entre as outras três em desenvolvimento, uma também no Brasil (Benevides-PA). Os polos dedicam-se a dar formação aos jovens, trabalhadores, empresários e comunidade em geral com a intuição de gerar uma consciência produtiva de redução da miséria, desigualdade e percebam o empreendedorismo como promoção do bem comum.
A partir deste movimento, são centenas de pesquisadores no mundo, trabalhando organizados em rede dedicados a repensar e dialogar com os agentes econômicos da atualidade. A professora Alessandra Smerilli em entrevista publicada no IHU, em janeiro de 2018, conta que “durante os estudos conheci professores que me mostraram outra economia (é o caso, por exemplo, da experiência da economia de comunhão), outras teorias, mudando minha vida. Graças a esses encontros, de fato, nasceu em mim o desejo de continuar meu aprendizado com um doutorado na Itália e um PhD na Inglaterra, estudando a ‘we-rationality’, ou seja, a racionalidade do ‘nós’, uma tentativa de superar o individualismo metodológico na economia”.
A centralidade do trabalho de Smerilli intervém nas questões práticas em empresas e círculos sociais, de jovens e trabalhadores. Em artigo publicado pela Nuova Umanitá, escrito em conjunto com Luigino Bruni, intitulado Il prezzo di Socrate (2006/07, em português O preço de Sócrates, tradução livre), critica as condições de seleção de funcionários padronizadas pelo mercado, que parte da vocação ao serviço para legitimar salários baixos, implicando um conflito entre as intenções espirituais (de valores e crenças) e às intenções materiais (salário). Isso é, o mercado percebe como um agregado no pagamento a realização da vocação das pessoas. A proposta de câmbio apresentada pelos autores é: “precisamos ir além da ideia de que o benefício adicional é apenas de natureza material, e se mover na direção de identificar formas de remuneração simbólica e relacional, que não compensem salários mais baixos, mas adicionar-lhes ferramentas de auto-seleção”. De maneira prática, a escolha do cargo não pode ser condicionada a aceitar um salário mais baixo, mas como se dispõe, idealmente, congregando os valores da organização, para o trabalho.
A ênfase da valorização do trabalho apresenta-se como um dos eixos do pensamento de Smerilli. Em artigo publicado pelo IHU em 2017, a professora aponta que “confiar na melhor parte de cada ser humano significa ter um olhar positivo sobre as pessoas e, portanto, sobre o trabalho, crer que a necessidade do trabalho bem feito está enraizada nas profundezas das pessoas, pelo menos tanto quanto a necessidade do ganho”. Ainda percebe que a compreensão do trabalho na cultura do mercado pode levar a uma condição de escravidão: “A primeira forma de liberdade é a de poder trabalhar e de não ter que ceder à “chantagem social” dos especuladores (os antiempresários) que tratam o trabalho como uma mercadoria e o nivelam por baixo, entre os jogos da oferta e da demanda. Mas, mesmo quando se trabalha, a concorrência que as empresas desencadeiam entre os trabalhadores pode ser uma forma de escravidão. Quem conhece a boa teoria e a vida das organizações e das empresas sabe que não é através de incentivos e de competição que se melhora a eficiência”, argumenta a economista no mesmo artigo.
Assim, o conceito de trabalho envolve questões muito maiores que valores de troca, produção e mercadoria. A ação não se refere apenas a uma questão de sobrevivência, mas de dignidade e honra compartilhada e promovida por todos. "O trabalho é, acima de tudo, um grande empreendimento cooperativo. Trabalha-se bem e as empresas crescem quando cada um opera em um contexto que o coloca em condições de dar o melhor de si; quando cada um sabe que os seus esforços serão vistos e reconhecidos, serão apreciados", define a professora.
Alessandra Smerilli é irmã religiosa das Filhas de Maria Auxiliadora, tem 43 anos e é natural de Vasto (Chieti). Ensina economia política e elementos de estatísticas na Pontifícia Faculdade de Ciências da Educação "Auxilium" de Roma. Em 2014, doutorou-se em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade de East Anglia (Norwich, Reino Unido), e, em junho de 2006, recebeu um PhD em Economia pela Faculdade de Economia na "Sapienza" de Roma.
A economista apresentará a conferência: “As grandes tendências econômicas sociais que caracterizam o mundo contemporâneo”, na terça-feira, 21 de maio de 2018, às 18h30min, no Teatro Unisinos, em Porto Alegre. Faça sua inscrição no site oficial do XVIII Simpósio Internacional IHU – A virada profética de Francisco.
IHU e Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário