A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.

A MAIOR FEIRA DE MATO GROSSO PARA SUPERMERCADOS, PADARIAS E HOTÉIS.
Av. Historiador Rubens de Mendonça, 2.368 - Sala 104 Bosque da Saúde - Cuiabá-MT - 78050-000 comercial@expovarejo.com.br | Fone: (65) 3057-5200

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Vivência com o povo Xavante, 6 a 12 de Julho de 2018

Vivência com o povo Xavante, 6 a 12 de Julho de 2018
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Greenpeace no Brasil

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

quarta-feira, 4 de julho de 2018

"Entidades repudiam e cobram investigação urgente das autoridades sobre ameaças contra jornalistas da revista Época"

Três entidades ligadas ao exercício do jornalismo se uniram para repudiar e pedir urgência na investigação das ameaças que jornalistas da Revista Época estão sofrendo, após a publicação de uma reportagem sobre um grupo que propaga o ódio na internet. As informações são da Folha de S. Paulo e da Associação Nacional de Jornais (ANJ), que também assina o manifesto.Além da ANJ, também endossam o comunicado, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) e a Associação Nacional de Editores de Revista (Aner).
A reportagem da Época, publicada na sexta-feira (29), mostrou como funciona o grupo de propagação de ódio na internet brasileira, que atualmente se articula por meio do fórum de discussão chamado Dogolachan, que tenta se manter anônimo. De acordo com a publicação, os integrantes do grupo apostam em conteúdo que gera indignação dos internautas, como homofobia, apologia da pedofilia e ataques racistas e misóginos, e também costumam mirar em personalidades com fama na rede.
Além disso, o grupo tenta ganhar dinheiro com o uso de fóruns de discussão radicais, usados para atrair audiência para páginas e blogs que usam máquinas e energia na mineração de criptomoedas.
Depois que a reportagem foi publicada no site da revista, os autores sofreram ataques virtuais e tiveram os dados pessoais publicados na internet, indiscriminadamente.
No comunicado conjunto, ANJ, ABERT e ANER repudiaram as ações, que têm a intenção de tentar calar e intimidar a imprensa. “Os profissionais e veículos de comunicação continuarão a cumprir sua principal missão – a de informar a sociedade sobre fatos de interesse público", afirma trecho do comunicado. “As entidades pedem às autoridades competentes completa e urgente apuração dos fatos, a identificação e punição dos responsáveis por atos como este, que são uma afronta à liberdade de imprensa no Brasil".
IMPRENSA/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário