Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

ANUNCIE AQUI!

ANUNCIE AQUI!
SUA EMPRESA COM MAIS VISIBILIDADE E VENDA

Certificado de Responsabilidade Social

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

"Greenpeace vela carvão em protesto contra leilão de energia"

Funeral for Coal in Candiota, Rio Grande do Sul State, in BrazilNo início da manhã desta quarta-feira (29), ativistas do Greenpeace fizeram o enterro simbólico do carvão. O protesto pacífico é contra a presença da fonte de energia elétrica mais poluente do mundo no leilão A-6, que o Ministério de Minas e Energia realiza na próxima sexta-feira (31). Dos 59 GW cadastrados, metade (29,5 GW) é de origem fóssil, sendo duas térmicas a carvão, no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Com um caixão, uma lápide e a mensagem “Chega de energia suja”, os ativistas pediram o fim do carvão até 2030 para que haja uma transição responsável e realista em direção às fontes renováveis. “A não contratação de novas térmicas a carvão é apenas o primeiro passo para o fim de todas as usinas em operação no Brasil até 2030. Precisamos deixar o carvão no passado para não assombrar nosso futuro”, afirma Marcelo Laterman, especialista em Energia do Greenpeace Brasil.
Enquanto vários países que hoje dependem do carvão anunciam seu fim para 2030, a contratação de uma nova usina no leilão A-6 assegurará sua operação até 2049 no Brasil. O carvão representa hoje apenas 2,3% da matriz energética brasileira, mas é responsável por 20% das emissões de CO2.
“O governo brasileiro insiste em permitir o crescimento do número de usinas a carvão no país enquanto observamos um movimento global no sentido contrário. Além de causar graves impactos à saúde, ao meio ambiente e ser um dos maiores responsáveis pelas mudanças climáticas, as usinas a carvão também pesam no bolso do brasileiro, na forma de uma conta de luz mais cara”, afirma Laterman.
O protesto desta manhã foi realizado em frente à termelétrica Presidente Médici, ou Candiota II, a 400 km de Porto Alegre. Candiota foi escolhida como exemplo, pois concentra as maiores reservas de carvão no país e o maior parque de usinas térmicas, além de ser a região próxima de onde será instalada uma das usinas com possibilidade de contratação no leilão A-6, a UTE Ouro Negro. Apenas a entrada em operação desta nova usina aumentaria em 7% as emissões da matriz elétrica brasileira, segundo estudo do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA).
Confira algumas imagens da ação aqui.
Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário