Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

BOLSONARO X CLASSE TRABALHADORA

BOLSONARO X CLASSE TRABALHADORA
BOLSONARO NÃO!

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

domingo, 12 de agosto de 2018

"Nasa lança missão histórica para "tocar" o Sol"

Ilustração simula sonda se aproximando do SolSonda deve ajudar a desvendar mistérios do astro-rei, chegando mais perto do que jamais se chegou da estrela. Espaçonave alcançará velocidade equivalente a ir de Nova York a Tóquio em um minuto. A Nasa lançou com sucesso neste domingo (12/08) uma sonda que tem como objetivo chegar mais perto do que jamais se chegou do Sol, transitando pela chamada coroa solar. A missão, classificada pela agência espacial americana como a primeira a "tocar o Sol", deve ajudar a esclarecer os mistérios do astro-rei. Um foguete decolou com a sonda Parker Solar Probe a bordo às 3h31 (hora local) a partir da base de Cabo Canaveral, na Flórida, após o adiamento da decolagem no sábado por problemas técnicos.
A nave não tripulada vai rumar direto para a coroa solar, a camada mais externa da atmosfera do Sol. A sonda deve viajar a um máximo de 696 mil quilômetros por hora, velocidade jamais alcançada por um objeto feito pelo homem e equivalente a viajar de Nova York a Tóquio em um minuto.A espaçonave chegará a uma distância de 6 milhões de quilômetros da estrela – quebrando o recorde atual, alcançado pela sonda Helios 2, em 1976, que ficou a cerca de 43 milhões de quilômetros do Sol.
Com o tamanho de um pequeno carro, a Parker Solar Probe tem uma "expectativa de vida" de sete anos. O seu escudo térmico, feito à base de carbono, permite-lhe resistir a temperaturas superiores a mil graus Celsius.
Foguete decolou com a sonda a bordo a partir da base de Cabo Canaveral, na Flórida"Tudo o que posso dizer é: 'Uau, aqui vamos nós.' Estamos nos preparando para aprender nos próximos anos", afirmou o astrofísico Eugene Parker, de 91 anos, que foi homenageado com o nome da espaçonave.Parker é o pai do conceito de vento solar, que a sonda se propõe observar mais a fundo. A espaçonave também deve ajudar a compreender tempestades geomagnéticas, que ameaçam redes elétricas na Terra. Entendendo melhor a natureza do Sol, cientistas esperam conseguir proteger melhor tanto essas redes quanto satélites e astronautas em órbita.
Entre os mistérios do Sol a serem desvendados estão: por que a coroa solar é centenas de vezes mais quente que a superfície do Sol e por que a atmosfera solar está constantemente se expandindo e acelerando?
Cientistas vinham planejando construir uma sonda como a Parker Solar Probe há mais de 60 anos, mas somente nos últimos anos a tecnologia do escudo de calor avançou o suficiente para ser capaz de proteger os instrumentos carregados pela espaçonave.
O primeiro encontro da sonda com a coroa solar deve ocorrer em novembro. No total, a espaçonave deve fazer 24 aproximações do Sol na missão de sete anos, com orçamento de 1,5 bilhão de dólares.
LPF/efe/lusa/ap/afp/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário