Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

MRV ENGENHARIA

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, nº 158 - Centro - CEP: 78005-906

ABERT - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão

ABERT -  Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão
SAF/SUL Qd 02 Bl D Sl 101 Ed.Via Esplanada (Atrás do Anexo do Ministério da Saúde) | Brasília - DF

ABAV EXPO 2018 Conecta

ABAV EXPO 2018 Conecta
Av. Olavo Fontoura, 1209 - Portão 1 - Santana, São Paulo - SP E-mail: visit@abavexpo.com.br

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

“Ataque ajudará Bolsonaro a chegar perto de seu teto eleitoral, em torno de 26%”. Entrevista com o cientista político Andrei Roman"

10-09-2018-bolsonaro-hospitalizado-arma-nao-aprende_flaviobolsonaroTwitter.jpg
O giro dramático da campanha com o ataque a faca a Jair Bolsonaro deve empurrar o candidato ultradireitista do PSL rumo a seu teto eleitoral, em torno de 26%. A análise é do cientista político Andrei Roman, diretor-executivo da consultoria Atlas Político. No outro lado do espectro político, Roman vê um potencial de crescimento para Marina Silva e para Fernando Haddad — nos dois casos com essa tendência se acelerando perto da reta final da campanha. Sobre o tucano Geraldo Alckmin, é mais cético: "Não adianta você ter todo tempo do mundo se a sua estratégia de comunicação está errada ou se ela simplesmente não consegue superar as maiores vulnerabilidades da persona do candidato."
O cientista político, que tem doutorado em Harvard e fundou a empresa com o estatístico Thiago Costa, ainda quando os dois estudavam na universidade norte-americana, coordena um tracking diário do estado da campanha e do posicionamento dos brasileiros a respeito de temas que vão da legalização da maconha ao apoio ou não à ideia de que ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva possa concorrer às eleições. O monitoramento, feito por meio de entrevistas na Internet calibradas por um algoritmo, inclui medições só para clientes privados, como a variação da intenção de votos dos candidatos, e resultados disponíveis para o público em geral —a partir deste sábado o EL PAÍS passa a publicar parte desses dados (entenda aqui). Entre os dados públicos do monitoramento, está a pergunta: “Você é a favor de um golpe militar em vez da organização de eleições presidenciais?” Cerca de 15% do eleitorado responde “sim” a essa indagação e é por isso que Roman acredita que essa cifra é o piso de Bolsonaro. Ou seja, mesmo com as críticas dos adversários na TV, o deputado não deve retroceder abaixo disso em sua avaliação.
Eis a entrevista.
A esta altura já foi dito e repetido que o atentado a Bolsonaro muda a história da campanha e obriga os candidatos a repensar estratégias. Mas dá para dizer isso em cifras nas pesquisas? Quanto ele pode crescer?
A nossa leitura é que vai ajudar Bolsonaro a chegar perto do melhor cenário possível projetado para ele e prejudica praticamente todos os outros candidatos. Ele vai conseguir alguma transferência de votos de quase todos. Quanto ele pode crescer? Nossa visão é que pode chegar em torno de 26%, esse é o teto. Dizemos isso com base num relatório que fizemos há 15 dias, no qual analisamos o potencial de crescimento dos candidatos e de onde poderiam vir esses votos. Na análise que fizemos, há potencial de transferência para Bolsonaro de todos os candidatos, com exceção de Boulos. A parcela de eleitores que ele poderia ganhar vai de 8% do eleitorado do Ciro Gomes até 18% do eleitorado do João Amoêdo. Claro, é possível que novos dados mostrem uma alteração neste quadro, mas por enquanto essa análise é baseada nos dados que temos acumulado até agora.
A expectativa é que os adversários deem uma trégua nos anúncios com críticas a Bolsonaro, mas é difícil que a estratégia seja abandonada completamente até o final. Você acredita que os adversários, especialmente Alckmin, ainda podem desconstruir na TV o deputado ou ele tem uma base coesa o suficiente que o segura num patamar de possível segundo turno?
Os adversários estão conseguindo desconstruir o Bolsonaro para certos segmentos do eleitorado e não para outros. Tanto é que, ao mesmo tempo que a rejeição dele está crescendo, ele também continua crescendo em termos de intenção de voto. A polarização em torno do nome dele favorece as chances de Bolsonaro chegar ao segundo turno, mas prejudica as chances de vitória dele nesse eventual segundo turno. Claro, com esse atentado, as chances dele num eventual segundo turno melhoraram, mas mesmo assim a maior chance de ganhar será do adversário que ele for enfrentar.
Muitos analistas apostavam na desidratação do Bolsonaro por causa da TV. Quanto ele poderia murchar, se não tivesse havido o atentado?
Ao meu ver, Bolsonaro tem um piso firme de em torno de 15% do eleitorado, o que é muito próximo do que ele precisa neste momento para chegar no segundo turno. No Atlas Tracking tem uma pergunta especialmente útil para medir o piso eleitoral do Bolsonaro: “Você é a favor de um golpe militar em vez da organização de eleições presidenciais?” Em média, 15% do eleitorado brasileiro responde "sim" para essa pergunta.
O Atlas Político tem feito pesquisas diárias, com recrutamento de entrevistados pela Internet. Na fotografia de agora, que é precária, ainda dá para cravar um cenário mais provável de segundo turno?
Se você for olhar somente pela média das últimas pesquisas, sejam elas do Atlas ou de outros institutos, Jair Bolsonaro e Marina Silva teriam as melhores chances neste momento. Mas, obviamente, isso não levaria em consideração a principal variável dessa campanha olhando para a frente: a tentativa do PT de transferir os votos de Lula para Fernando Haddad. Haddad é ainda muito pouco conhecido pelo eleitorado lulista. Na medida em que esses eleitores entendem que Lula não será candidato e que o candidato apoiado por ele é o Haddad, é possível que Haddad chegue a ultrapassar a Marina. Então os cenários mais prováveis seriam esses: Marina x Bolsonaro e Haddad x Bolsonaro, com uma chance maior para este segundo.
Uma grande incógnita é o poder de transferência de voto de Lula para Haddad e em que velocidade isso pode acontecer. Não é justo o estrato mais pobre, onde Haddad mais precisa crescer, que mais demora a se inteirar?
Sim, certamente esse será um desafio grande para a campanha petista. Será muito difícil ver Haddad no mesmo patamar de votação de Dilma na campanha de 2010. Naquela vez, Lula estava engajado ativamente em conseguir essa transferência e a escolha da Dilma foi anunciada um ano antes da eleição. Mas Haddad não precisa chegar no mesmo patamar de Dilma para chegar no segundo turno. Dada a fragmentação do cenário de candidatos, só 15% do eleitorado ele talvez já consiga passar para o segundo turno. Pelo que vejo em nossos dados, a chance disso acontecer é bem alta. Agora, em relação à questão da velocidade e do timing, isso deve acontecer bem tarde: acredito que Haddad começará a crescer devagar no começo da campanha e acelerar bem perto do final, quando a massa crítica do eleitorado lulista finalmente conseguir digeri-lo como candidato de Lula.
Marina não está melhor posicionada para recebe os votos órfãos de Lula, especialmente entre as mulheres pobres?
Marina está muito bem posicionada em termos de sua imagem pública, pela história de vida dela, pela aproximação no passado com Lula e pelo contraste entre o estilo discursivo dela em comparação ao dos outros candidatos. Marina consegue se contrapor aos demais candidatos com sua autenticidade e modéstia. Mas Marina tem também certas vulnerabilidades em relação a esse eleitorado. Marina não se posicionou contra a prisão de Lula e as imagens dela apoiando o Aécio Neves no segundo turno de 2014 devem ser exploradas intensamente pelo PT. Marina poderia ter um discurso mais claro em relação ao legado petista, em relação ao que foi bom e ao que foi ruim. Ela poderia defender o legado do Lula sem necessariamente aderir à bandeira "Lula Livre". Em vez disso, ela vem optando por um discurso mais discreto, que não toca frontalmente essas questões. Pode ter sido um erro estratégico ou um acerto. Por enquanto, ainda é cedo para fazer essa análise.
A pergunta mais repetida das eleições é: a TV ainda será determinante? Alckmin terá tempo para subir o que precisa para ir ao segundo turno?
Alckmin tem muito mais tempo do que precisa, mas a questão é como você preenche esse tempo. Não adianta você ter todo tempo do mundo se a sua estratégia de comunicação está errada ou se ela simplesmente não consegue superar as maiores vulnerabilidades da persona do candidato. A estratégia de comunicação faz parte de uma estratégia maior de posicionamento político. Se a sua estratégia de comunicação é contraditória em relação à estratégia de posicionamento, obviamente os resultados não serão bons. A leitura atual da campanha de Alckmin é que erraram somente na comunicação e que, consertando isso, irão conseguir fazer ele subir. Eu acredito que esse diagnóstico está errado. O problema de Alckmin, ao meu ver, está mais ligado às vertentes chave da estratégia política de posicionamento do que com a comunicação.
E onde Alckmin erra?
O eleitorado do Bolsonaro é muito convicto e não vai mudar para Alckmin. E quem não gosta mesmo do Bolsonaro é a esquerda, que também não gosta do Alckmin. Então, batendo no Bolsonaro, Alckmin não consegue nem o eleitor do Bolsonaro (que dificilmente vai desistir dele), nem o eleitor da esquerda, que não passará a gostar do Alckmin por conta disso. A estratégia certa do Alckmin, na minha opinião, era mostrar que ele continua sendo a oposição autêntica ao PT, que de fato Bolsonaro adotou no passado posições paternalistas na economia, que Bolsonaro é muito mais próximo do PT do que parece. Alckmin deveria fazer um discurso focado no eleitorado de centro-direita que é anti-lulista e não tem uma posição muito firme em relação ao Bolsonaro ainda.
Duas novidades da eleição são, por um lado, a força da ultradireita de Bolsonaro, mas também a aparição de um fenômeno de direita liberal na economia e nos costumes, como o João Amoêdo (NOVO). Você prevê que Amoêdo ainda tem espaço para crescer?
Amoêdo adotou uma estratégia muito focada em mídias sociais, investindo pesadamente em propagandas pagas principalmente no Facebook. A estratégia parece estar dando certo, principalmente entre homens jovens em regiões urbanas do Sul e Sudeste. Ele está chegando em 4% de intenção de voto, que pode não parecer tão impressionante assim, mas serve para atrapalhar bastante Alckmin. Boa parte do eleitorado do Amoêdo é um eleitorado realmente libertário. Além de uma grande maioria dos eleitores dele apoiarem, por exemplo, as privatizações e a reforma da Previdência, é um eleitorado muito progressista em questões como liberalização da maconha e legalização do casamento gay. No entanto, esse nicho é bastante pequeno como percentual da população brasileira. Por isso a gente vê Amoêdo adotando posições bem mais conservadoras do que a média atual do eleitorado dele, provavelmente no intuito de conquistar eleitores de Bolsonaro. O espaço de crescimento dele seria então bem diferente do espaço que ele conseguiu conquistar até agora.
Temos uma profusão de pesquisas, de metodologias diferentes. Você é crítico dos trackings telefônicos puros. Por quê?
Os tracking telefônicos não têm feito, em geral, um bom trabalho na hora de entender quais são os grupos supra e subrepresentados em relação ao perfil da população geral. Quando você tem uma taxa de resposta abaixo de 10% (como na maioria das pesquisas telefônicas), a chance de essa taxa baixa de resposta introduzir um viés na amostra é extremamente grande. Os 10% que respondem a pesquisa certamente têm algumas características diferentes dos 90% que não respondem. Para começar, é muito natural esperar que eles sejam mais politicamente engajados. Se você vota Bolsonaro, a chance de você querer perder 30 minutos do seu dia respondendo uma pesquisa eleitoral para afirmar essa preferência é muito maior do que se você não se interessa por política ou não faz a menor ideia sobre em quem votar. Isso acaba supraestimando sistematicamente alguns candidatos cujo voto espontâneo é alto e explica a discordância entre as pesquisas telefônicas e as pesquisas face a face. O Atlas tenta entender esse tipo de fenômeno e usa procedimentos especiais de ajuste amostral para eliminar os vários tipos de viés.
A entrevista é de Flávia Marreiro, publicada por El País e no Caminho Político.

Nenhum comentário:

Postar um comentário