Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

ANUNCIE AQUI!

ANUNCIE AQUI!
SUA EMPRESA COM MAIS VISIBILIDADE E VENDA

Conecte na ALMT

AJUDE ESTA CAUSA

AJUDE ESTA CAUSA
SANTA CASA DE CUIABÁ | (65) 3051-1946

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411-3500

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

"SOB GUARDA PROVISÓRIA: Crianças em adoção poderão usar nome afetivo em escolas"

Resultado de imagem para vereador Marcelo Bussiki (PSB)Por unanimidade, os vereadores de Cuiabá aprovaram o projeto de lei de autoria do vereador Marcelo Bussiki (PSB) que permite que crianças e adolescentes que estiverem sob a guarda provisória de família adotiva passem a usar o nome afetivo em cadastros de instituições escolares e de saúde de Cuiabá.A intenção, de acordo com o vereador, é que as crianças que já estejam convivendo com a nova família, por meio da guarda provisória, possam ter o nome e sobrenome alterados antes da emissão da sentença do juiz que concede a guarda definitiva à família. “Somente após a sentença de destituição do poder familiar é que acontece a mudança do prenome ou sobrenome civil da criança para o da nova família. Ocorre que esse processo demora muitos anos e pode trazer crise de pertencimento a criança, que já convive com os novos pais, mas ainda não recebeu o nome deles”, explicou.
De acordo com o projeto, os registros dos sistemas de informação de unidades escolares, de saúde e lazer – cadastros, fichas, formulários, prontuários, por exemplo – deverão conter o campo “nome afetivo” em destaque, acompanhado do nome civil.
Esse nome civil, no entanto, será utilizado apenas para fins administrativos internos. “Esse projeto faz com que as crianças sejam inseridas e se sintam pertencentes de fato à nova família, com o nome escolhido a partir do momento em que passam a ficar sob a proteção desse núcleo familiar. É muito importante para a história dessas crianças”
Com a aprovação, o projeto segue para a análise do prefeito Emanuel Pinheiro. Uma vez sancionada, o Executivo terá 180 dias para regulamentar a lei.
Karine Miranda

Nenhum comentário:

Postar um comentário