Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo, Cuiabá - MT

2ª Corrida do Legislativo Cuiabano

2ª Corrida do Legislativo Cuiabano
PA 2ª Corrida do Legislativo é uma realização da ASSCAMUC (Associação dos Servidores da Câmara Municipal de Cuiabá) e será realizada no dia 21 de abril de 2019.

Conecte na ALMT

Se inscreva no site www.omatogrosso.com e responda a pergunta: QUAL A TV QUE VOCÊ SE VÊ?

Se inscreva no site www.omatogrosso.com e responda a pergunta: QUAL A TV QUE VOCÊ SE VÊ?
O sorteio será dia 05.03.2019 Boa sorte

domingo, 7 de outubro de 2018

"Igreja expulsa pastor por não pregar em favor de Bolsonaro"

Pastor que foi expulso por não apoiar Bolsonaro pregava em São Bernardo do Campo, no ABCD paulisaUm pastor da Igreja Renascer em Cristo foi expulso por recusar-se a pregar em favor do candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, de acordo com reportagem do site Vice. Uma discussão grava em áudio mostra o pastor, identificado como Danilinho Bernassi, discutindo com um bispo da entidade, identificado como Phillip Guimarães. Este repreendia o pastor por compartilhar nas redes sociais imagens de outros candidatos. Danilinho reclama com o bispo: “Eu tenho a minha opinião e você tem a sua, eu não vou votar em Bolsonaro, vai com Jesus de Nazaré no seu voto”. “Isso eu não vou aceitar”, responde Phillips.Em outro áudio, o bispo expulsa Danilinho. “Está decidido, você está desligado da Igreja Renascer”, declara. O pastor responde: “Eu vou com o povo então”. “Esse povo não é seu, é da Igreja Renascer”, finaliza o bispo.
A legislação proíbe a propaganda eleitoral no interior das igrejas, por serem consideradas bens de uso comum. Em caso de descumprimento, podem ser aplicadas multas de R$ 2.000 a R$ 8.000. As propagandas eleitorais vindas de igrejas também são classificadas como “abuso do poder econômico” pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Nenhum comentário:

Postar um comentário