O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.

O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.
O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.

MAIO AMARELO

Trabalhando e Cuidando da Gente

Iguá Saneamento

Iguá Saneamento
Rua Gomes de Carvalho, 1306 - 15º andar - São Paulo - SP

domingo, 13 de janeiro de 2019

"Cesare Battisti aguarda extradição da Bolívia para a Itália"

Militante italiano Cesare Battisti em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, antes de sua prisãoEx-membro de guerrilha de esquerda condenado por assassinatos em seu país, italiano estava foragido desde dezembro, quando Temer decretou sua extradição do Brasil. Bolsonaro e autoridades da Itália comemoram detenção. O italiano Cesare Battisti, ex-membro de uma guerrilha de esquerda condenado por assassinatos em seu país, foi detido na Bolívia, confirmou a Polícia Federal brasileira na madrugada deste domingo (13/01).
Contrariando afirmações do ministro do gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, de que o foragido seria primeiramente transportado para o Brasil, Battisti, de 64 anos, será extraditado diretamente para a Bolívia. Ele estava refugiado desde 14 de dezembro, após o Supremo Tribunal Federal (STF) ordenar sua detenção e extradição para a Itália, e o então presidente, Michel Temer, assinar um decreto nesse sentido.
O ex-militante foi detido na tarde de sábado na cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra por uma equipe de agentes italianos e brasileiros ao caminhar pela rua, segundo fontes do Ministério do Interior italiano. As fontes afirmam que investigadores italianos nunca haviam perdido Battisti de vista, mas após sua saída do Brasil e chegada à Bolívia, aceleraram-se os movimentos para sua detenção.
Battisti escapou da prisão na Itália em 1981, enquanto aguardava julgamento por quatro homicídios supostamente cometidos entre 1977 e 1979, quando era membro do grupo de extrema esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC). Na década de 1990, foi condenado à prisão perpétua à revelia. O italiano reconheceu ter feito parte do grupo, mas nega ter cometido homicídios.
Após passar décadas na França e no México, Battisti se instalou no Brasil em 2004, onde permaneceu escondido até a sua detenção em 2007. O STF autorizou sua extradição em 2009, mas os ministros disseram que a palavra final deveria ser do então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, que rejeitou a medida em 31 de dezembro de 2010, o último dia de seu segundo mandato.
Mesmo antes de empossado, o presidente Jair Bolsonaro havia prometido "presentear" a Itália com Battisti. Neste domingo, ele parabenizou os responsáveis pela captura. "Finalmente a justiça será feita ao assassino italiano e companheiro de ideais de um dos governos mais corruptos que já existiram no mundo (PT)", escreveu no Twitter.O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, também comemorou a prisão do italiano. "Assassinou policial, matou pai na frente do filho, atirou e deixou homem paralítico, foi condenado a prisão perpétua por quatro homicídios qualificados e fazia parte do grupo terrorista de esquerda na Itália PAC (Proletários Armados para o Comunismo). Ciao Battisti, a esquerda chora!", tuitou.O embaixador da Itália no Brasil, Antonio Bernardini, tuitou: "Battisti está preso! A democracia é mais forte que o terrorismo!"
A notícia da prisão também foi celebrada na Itália. O ministro do Interior e vice-primeiro-ministro italiano, Matteo Salvini, agradeceu o trabalho das forças italianas e estrangeiras que colaboraram para a captura de Battisti, "um delinquente que não merece uma vida cômoda na praia, mas sim terminar seus dias na cadeia".O ministro da Justiça italiano, Alfonso Bonafede, afirmou que Battisti será agora entregue à Itália para que cumpra sua pena: "Quem se equivoca deve pagar, e também Battisti pagará."
"O tempo que passou não curou as feridas que Battisti deixou nas famílias das suas vítimas e no povo italiano, assim como não fez diminuir o desejo humano e institucional de obter justiça", escreveu o ministro em sua página no Facebook.
À época do decreto de Temer sobre a extradição de Battisti, Sergio Moro, ministro da Justiça e da Segurança Pública no governo Bolsonaro, disse que foi acertada a decisão e que o asilo concedido pelo governo Lula se deu por motivações político-partidárias.
"Os países têm que cooperar entre eles contra a criminalidade. O senhor Cesare Battisti foi condenado por homicídio na Itália, que é um país com Judiciário forte e independente e não cabe ao Brasil ficar avaliando ou não o mérito da condenação", disse Moro.
LPF/efe/rtr/ap/lusa/abr/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos