O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.

O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.
O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.

ANUNCIE CONOSCO

Riseup! Pocket

Riseup! Pocket
Uma experiência que você nunca viveu, em busca dos resultados que você nunca obteve.

GOVERNO DE MATO GROSSO

GOVERNO DE MATO GROSSO
O Nota MT é um programa de incentivo ao exercício da Cidadania

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

"Maduro aceita reunião com grupo internacional"

Nicolás MaduroPaíses europeus e latino-americanos propuseram diálogo para solucionar impasse na Venezuela. Maduro critica, porém, "parcialidade e ideologização" de grupo e rejeita ajuda humanitária. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta sexta-feira (08/02) que está disposto a se reunir com enviados do Grupo de Contato Internacional (GCI), formado por alguns países latino-americanos e pela União Europeia (UE). A aliança quer promover o diálogo em Caracas para solucionar a crise política no país sul-americano. "Estou pronto e disposto a receber qualquer enviado do grupo de contato", assegurou Maduro em entrevista coletiva no palácio presidencial de Miraflores.
A decisão de Maduro foi anunciada um dia após a primeira reunião do GCI, em Montevidéu, que decidiu enviar uma missão técnica à Venezuela para dialogar com ambas as partes. O grupo procura criar as condições para convocar novas eleições no país.
Apesar da abertura em receber a missão, Maduro criticou, porém, "a parcialidade e a ideologização" que, segundo ele, há no grupo. "Boas vindas ao grupo de contato da UE, mas lhes digo, obviamente, que estou totalmente em desacordo com a parcialização e ideologização em que caiu, produto do extremismo com que veem à Venezuela", ressaltou.
Participaram da primeira reunião do GCI a UE, que esteve representada por Mogherini e por oito Estados-membros: Portugal, Espanha, Itália, França, Alemanha, Reino Unido, Holanda e Suécia. Do lado da América Latina, estiveram presentes a Bolívia, Costa Rica, Equador, México e Uruguai.
Maduro fez também comentários sobre a ajuda humanitária para a Venezuela enviada pelos Estados Unidos. Na quinta-feira, os primeiros caminhões com alimentos e medicamentos chegaram em Cúcuta, cidade colombiana que fica na fronteira com o país.
A assistência foi prometida pelo autoproclamado presidente interino Juan Guaidó, reconhecido como tal entre outros por EUA, potências europeias e o Brasil. Atrincheirado no poder, Maduro rejeita a ajuda anunciada e mandou militares bloquearem a estrada que liga os dois países.
"A Venezuela não tolerará o espetáculo da chamada ajuda humanitária, porque não somos os mendigos de ninguém", reiterou nesta sexta-feira Maduro. O presidente acusou ainda os Estados Unidos de inventarem uma situação de emergência para intervir na Venezuela.
Maduro culpou as sanções impostas por Washington pela escassez de alimentos e medicamentos enfrentada pela Venezuela e pela grave crise econômica, marcada ainda pela hiperinflação, que chegou a 1.698.844,2% em 2018.
A falta de segurança, os baixos salários, os altos preços e a escassez de alimentos e medicamentos levou quase 3 milhões de venezuelanos a emigrarem desde 2015, especialmente, com destino aos vizinhos Brasil e Colômbia, mas também para Peru e Equador.
A crise política no país se agravou em 23 de janeiro quando o líder do parlamento, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente em exercício da Venezuela por considerar que Maduro foi reeleito em votações "fraudulentas". Contando de imediato com o apoio dos Estados Unidos, o opositor prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.
CN/efe/afp/lusa/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos