Águas Cuiabá - Iguá Saneamento

Águas Cuiabá - Iguá Saneamento
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé - CEP 78050-667 - Cuiabá-MT • Telefones: 0800 646 6115

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo, Cuiabá - MT

2ª Corrida do Legislativo Cuiabano

2ª Corrida do Legislativo Cuiabano
PA 2ª Corrida do Legislativo é uma realização da ASSCAMUC (Associação dos Servidores da Câmara Municipal de Cuiabá) e será realizada no dia 21 de abril de 2019.

"AME,CUIDE E RESPEITE OS IDOSOS

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411-3500

domingo, 10 de março de 2019

"EMPREENDEDORAS DE SUCESSO: Mulheres invadem mercado e atuam em negócios tidos como masculinos"

Muitas vezes abrir a própria empresa não é uma opção planejada, mas com dedicação, capacitação e amor ao que fazem, elas têm conseguido chegar lá. E estão se dando muito bem.Se lançar no mercado e ser dona do próprio negócio nem sempre é uma decisão planejada, mas vem sendo a opção atualmente de mais de 24 milhões de mulheres no país, conforme pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), principal pesquisadora de empreendedorismo do mundo. A realidade em Mato Grosso não foge à tendência nacional e a força feminina está presente em vários ramos, naqueles tidos como masculino como a indústria, e mais fortemente na prestação de serviço, por meio das microempresas.

O resultado disso são mulheres bem-sucedidas e com maior participação no orçamento familiar, como a empresária Margareth Buzetti, de 59 anos, que representa bem o perfil de uma empreendedora de sucesso que conseguiu se sobressair em um segmento tocado, na sua maioria, por homens. Há 32 anos ela chefia uma indústria de recapagem, recauchutagem, duplagem e vulcanização de pneus de caminhões e máquinas pesadas, a Buzetti Pneus/Drebor, está à frente da presidência da Associação das Empresas do Distrito Industrial de Cuiabá (Aedic), onde funciona sua empresa, além de outras 260 indústrias.
Margareth também é diretora de mercado da Associação Brasileira de Reforma de Pneus (ABR) e participou da equipe de transição da atual gestão do Governo do Estado. A empresária conta que sua trajetória no setor industrial começou há mais de 30 anos quando veio do Paraná para Mato Grosso com o marido.
“Nós começamos a trabalhar juntos e comecei a entender o que é esse mercado. A fazer parte de uma associação de reformas de pneus, a participar de feiras nacionais e internacionais e congressos. Foi isso que me fez gostar desse ramo, que é extremamente importante. Hoje 2/3 dos pneus no Brasil são reformados. Imagine essa quantidade de pneus no meio ambiente. Então essa atividade precisa ser olhada com mais atenção pelos governos”, alerta ela.
Na opinião da empresária, apesar da sua empresa ser de um setor masculinizado, o segredo para atingir o patamar desejado, como o que ela conseguiu, é não criar rótulos. “Eu nunca me importei muito com essa questão de ser mulher num mundo de homens. Você vai fazendo, vai participando, realizando e as pessoas vão te respeitando. E sempre digo: tudo isso foi possível porque tenho o apoio do meu marido, que é um companheiro realmente. Com isso, fica mais fácil”, pondera ela, revelando que é a única mulher na diretoria da ABR e foi a primeira mulher a ocupar a presidência da Associação das Empresas do Distrito Industrial de Cuiabá.Atualmente, a empresa de Margareth tem 60 funcionários, muitos deles mulheres, que atuam até em setores considerados pesados dentro da indústria de recapagem. Este mês, em alusão ao Dia Internacional das Mulheres, a diretoria da Associação fará uma programação dentro do Distrito Industrial de Cuiabá, voltado aos colaboradores.
“Vamos fazer palestras nas empresas do Distrito sobre violência doméstica em parceria com a Polícia Militar. A gente sempre fala para as mulheres, mas a gente tem que falar para os homens também porque muitas vezes ele é o agressor. Como essa é uma região que tem muita violência doméstica faremos essa iniciativa. Tem umas 10 empresas que aderiram”, relata Margareth.Questionada sobre o que a move e a faz realizar cada vez mais dentro da sua área ela é enfática: “minha geração não recebeu nada pronto. Tínhamos que realizar. Você tinha que construir. Meu pai também nos deixou sempre participar e me emancipou muito”, avalia. Para a industrial, isso ajudou a compor sua personalidade empresarial. Além do fato de sempre ter sido curiosa e crítica. Para Margareth essa é sua receita de sucesso.
Voo solo
Apesar de viver em uma realidade totalmente diferente de Margareth, as circunstâncias familiares também acabaram levando Melanie Kallyne Pereira, de 34 anos, formada em Direito, a virar empreendedora. Sua história teve início há sete anos. Na época seu marido trabalhava em uma concessionária na Grande Cuiabá e teve o orçamento reduzido. Diante disso, ela, que na época apenas fazia faculdade, precisou ajudar a complementar a renda da casa.
A ideia de produzir docinhos caseiros foi inspirada na mãe de Melanie, que é funcionária pública, mas fazia doces e acabava vendendo para os colegas no serviço. “Ela ficava até a madrugada fazendo doces. Fazia bolo de pote há 20 anos”, relembra ela, falando do pioneirismo da mãe.
Baseado nessa experiência, nasceu a Doce Mel, ateliê de doces, que funciona hoje na residência de Melanie, em Várzea Grande. Ela trabalha com ajuda do esposo, o qual é responsável pela venda e distribuição das encomendas.
O casal vende doces em várias instituições, incluindo repartições públicas, empresas e no Shopping Popular. Eles possuem ainda uma food bike, usadas em eventos, e atendem encomendas para aniversários. São docinhos variados: brigadeiros (tradicional, branco e com coco queimado), beijinho, bicho de pé, dois amores, olho de sogra, casadinho, pastel de leite ninho, bombons variados e outros produtos.
“Hoje faço os doces sozinha e ele vende. Por enquanto somos nós dois e divulgamos bastante também no Instagram. É muito bom ter o próprio negócio. É muito bom não depender dos outros. Tenho um horário flexível, trabalho dentro de casa e estou próxima da minha filha”, avaliou ela.
Melanie relata que inicialmente fazia os doces na casa da mãe, porém a produção foi aumentando e ela precisava de estrutura. Foi aí, que após avaliar, decidiu, juntamente com o marido, construir uma cozinha, climatizada, no fundo da casa para produzir seus produtos. O casal gastou R$ 40 mil na reforma, sendo R$ 20 mil deles de financiamento de um programa estadual de apoio a microempresários, via MT Fomento, hoje Desenvolve MT, agência de fomento ligada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec). “Foi muito bom e mudou nossa vida”, acrescentou.
Agora, Melanie consegue fazer seus doces de forma mais profissional e atender a demanda, que cresce a cada dia. “Pra (sic) mim o que importa é conquistar o cliente. E para isso o segredo é ter produtos de qualidade”, afirma ela, dizendo que sempre procura inovar e aumentar a variedade de itens disponíveis. “No final do mês vou fazer um curso com uma professora de fora que sigo sempre, pois quero entrar no mercado de bolos de aniversário”, revela ela. E para os clientes avisa que neste ano, como em 2018, vai produzir ovos de Páscoa.
Empreendedorismo feminino
Um estudo da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), conduzido pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa), aponta que em 2017 haviam 23,9 milhões de mulheres empreendedoras no país, número um pouco inferior aos homens que era de 25,4 milhões. Se considerado os empreendimentos com até três anos e meio de atuação no mercado, a presença feminina ultrapassa a masculina, chegando a 14,2 milhões de mulheres donas do próprio negócio frente a 13,3 milhões de homens. Os dados, segundo especialistas, representam um grande avanço na sociedade e uma conquista quando se refere à emancipação feminina.
Ivana Maranhão

Nenhum comentário:

Postar um comentário