Complexo Hospitalar de Cuiabá

Complexo Hospitalar de Cuiabá
CENTRAL DE ATENDIMENTO 55 65 3051-3000

Águas Cuiabá

Águas Cuiabá
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé 78050-667 - Cuiabá / MT 0800 646 6115

Prefeitura de Várzea Grande

Prefeitura de Várzea Grande
AV. CASTELO BRANCO, 2500 - CENTRO SUL, VÁRZEA GRANDE

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

domingo, 30 de junho de 2019

"Bolsonaro diz a Merkel que Brasil sofre com "psicose ambientalista"

Japan Osaka | G20 Gipfeltreffen - Jair Bolsonaro am Kansai Flughafen (Getty Images/AFP/C. Triballeau)Presidente relatou ter feito declaração em encontro com a chanceler federal da Alemanha. Segundo ele, Merkel "arregalou os olhos" ao ouvir convite para explorar a Amazônia de "forma racional e sustentável".Após ter entrado em atrito com líderes europeus por causa da sua política ambiental, o presidente Jair Bolsonaro disse para a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, que o Brasíl é vítima de uma "psicose ambientalista". "Conversei com ela, foi uma conversa tranquila. Em alguns momentos, ela arregalava os olhos, de maneira bastante cordial. Mostramos que o Brasil mudou o governo, e é um país que vai ser respeitado. Falei para ela também da questão da psicose ambientalista que existe para conosco", disse Bolsonaro a jornalistas, descrevendo um encontro que teve com Merkel na sexta-feira (28/06) em meio à cúpula do G20, em Osaka, no Japão.
Antes de viajar, Merkel havia dito durante uma sessão no Bundestag (Parlamento alemão) que via com"grande preocupação" a politica do governo brasileiro em relação ao desmatamento e aos direitos humanos. Ela também disse desejar ter uma "conversa clara" com o brasileiro sobre esses temas.
O presidente brasileiro não reagiu bem à fala da alemã e ao chegar ao Japão disse que o "presidente do Brasil que está aqui não é como alguns anteriores que vieram para serem advertidos por outros países". Ele ainda afirmou que os alemães têm "a aprender" com os brasileiros. "Nós temos exemplo para dar para a Alemanha sobre meio ambiente, a indústria deles continua sendo fóssil, em grande parte de carvão, e a nossa não. Então eles têm a aprender muito conosco", comentou.
Mais tarde, foi a vez de o general Augusto Heleno, titular do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), reagir – de maneira mais exaltada – não só à fala de Merkel, mas também a uma declaração do presidente francês, Emmanuel Macron, de que a França não assinará qualquer acordo comercial com o Mercosul caso o Brasil se retire do Acordo de Paris sobre o clima, como já ameaçou Bolsonaro.
Heleno disse que os europeus não têm moral para criticar a política ambiental do Brasil. "A política de meio ambiente é totalmente injusta ao Brasil. O Brasil é um dos países que mais preserva meio ambiente no mundo. Quem tem moral para falar da preservação de meio ambiente do Brasil?", disse o ministro. "Estes países que criticam? Vão procurar a sua turma."
Mais tarde, os brasileiros diminuíram o tom. Em encontro paralelo à cúpula do G20, Bolsonaro convidou Macron para visitar a floresta amazônica. Segundo a comitiva do presidente brasileiro, ele também reafirmou seu compromisso de permanecer no Acordo Climático de Paris.
"Eu convidei para conhecer a região amazônica. Falei para ele [de realizarmos] uma viagem de Boa Vista a Manaus. É pouco mais de duas horas. A gente poderia até voar a uma altura mais baixa, demoraria mais tempo, em um avião da Força Aérea, para ele ver que não existe o desmatamento tão propalado", disse Bolsonaro, que também relatou ter usado o termo "psicose ambientalista" no encontro com o francês.
Ainda sobre o encontro com Merkel, Bolsonaro descreveu que a chanceler "arregalou os olhos" em duas ocasiões durante a conversa. Uma das reações ocorreu quando Bolsonaro fez um convite a Merkel para explorar a Amazônia de "de forma racional e sustentável". "Não é porque eles destruíram as matas deles que vamos destruir as nossas. Convidei a Merkel a explorar de forma sustentável nossa Amazônia, ela arregalou os olhos também."
"Se alguém pode falar sobre preservação ambiental é o Brasil", disse. "Não podemos aceitar certas observações e uma difamação do Brasil no tocante a essa área."
O presidente ainda disse que "no momento" o Brasil segue no acordo de Paris, mas também afirmou que alertou Merkel que nem mesmo a Alemanha vai cumprir o tratado porque o país europeu ainda tem uma indústria dependente de energia fóssil. "O que cada brasileiro bota para fora e produz de CO2, o alemão é quatro vezes mais", disse Bolsonaro.
JPS/efe/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos