O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.

O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.
O Grupo São Benedito é uma das maiores construtoras da região Centro-Oeste.

ANUNCIE CONOSCO

Riseup! Pocket

Riseup! Pocket
Uma experiência que você nunca viveu, em busca dos resultados que você nunca obteve.

GOVERNO DE MATO GROSSO

GOVERNO DE MATO GROSSO
O Nota MT é um programa de incentivo ao exercício da Cidadania

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

"Hospital universitário: obras dependem de recursos federais"

Emendas parlamentares serão fundamentais para garantir a conclusão das obras do novo Hospital Universitário Júlio Muller. Pelo menos é o que informa o secretário Estadual de Infraestrutura, Marcelo Oliveira, ao participar, nesta segunda-feira (12.08) de audiência pública realizada pela Assembleia Legislativa e o Senado Federal para discutir o assunto. Convênio assinado em 2011 entre a Universidade Federal de Mato Grosso e o governo do Estado previa a destinação de 50% do valor da obra para cada um. “Os recursos da UFMT, de R$ 60 milhões, foram depositados e estão parados na conta desde que as obras foram paralisadas, em 2014”, reclamou o senador Wellington Fagundes, membro da Comissão de Saúde do Senado Federal. Já os outros 50%, que correspondem ao governo do Estado, não foram aplicados até hoje nas obras, que só foram executadas em 10% do total.
Parado há cinco anos, o novo hospital deveria atender a população com 250 leitos, 23 UTIs para adultos, 16 UTIs pediátricos e 20 UTIs neonatais, além de farmácia, laboratórios, salas de cirurgia e clínicas em diversas especialidades.
Mas problemas no descumprimento do contrato firmado com um consórcio de empresas, a falta de repasses de recursos do governo do Estado e falhas nos projetos de execução levaram à paralisação das obras.
“Isso acontece num momento em que temos um déficit de 3 mil leitos”, diz o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde, Orcarlino Alves.
Na quinta-feira passada, a UFMT entregou à Sinfra uma nova planilha de custos e, conforme assegurou o governador Mauro Mendes, o projeto deve ser retomado assim que o projeto executivo for licitado. “A solução para essa situação exige calma para que erros do passado não sejam repetidos”, disse o secretário Marcelo Oliveira. Segundo ele, a parceria com o Tribunal de Contas da União é fundamental, assim como os recursos de emendas parlamentares já que o caixa do governo estadual vive uma situação de crise.
“O que depender da bancada federal, será feito”, garantiu o senador Wellington Fagundes ao lembrar que, no passado, os parlamentares já asseguraram recursos para o HUJM e que R$ 168 milhões estão assegurados, neste ano, para a área da saúde em Mato Grosso mediante uma emenda impositiva da bancada apresentada ao Orçamento Geral da União. “Esses recursos são para o custeio. Isso deve aliviar o caixa do Estado, permitindo a aplicação de recursos na obra do novo hospital”, acredita.
O reitor em exercício da UFMT, Evandro Soares, diz que investir no novo hospital é um bom negócio para o estado e os municípios. “Vamos contribuir para melhorar a saúde de toda a população”, diz.
O deputado estadual Paulo Araújo, membro da Comissão de Saúde da Assembleia, acredita que a audiência realizada nesta segunda-feira vai impulsionar a retomada das obras.
Assessoria/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos