SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

"Braço Forte do Campo da Cidade e da Forquilha do Manso! Vereador Tito da Forquilha 14.123"

"Braço Forte do Campo da Cidade e da Forquilha do Manso! Vereador Tito da Forquilha 14.123"
"Juntos Somos Mais Fortes

sábado, 25 de janeiro de 2020

"Presidente interina da Bolívia anuncia candidatura às eleições"

Jeanine ÁñezApós negar intenção de concorrer à presidência, Jeanine Áñez volta atrás e diz que aliança política permitiu sua entrada na disputa eleitoral. Decisão pulveriza bloco que faz oposição ao partido de Evo Morales. A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, anunciou nesta sexta-feira (24/01) que disputará a eleição para a presidência do país marcada para 3 de maio. O anúncio ocorreu depois dela ter negado sua participação no pleito e foi criticado por adversários da senadora. Com o anúncio, a presidente interina, que assumiu o cargo em 12 de novembro após a renúncia de Evo Morales em meio a uma convulsão social devido irregularidades nas eleições de outubro, pôs fim aos tumores sobre sua candidatura.
Há uma semana, quando uma possível candidatura começou a ser ventilada por aliados e ministros do governo provisório, Áñez disse que não entraria na briga eleitoral e que tinha cumprido seu papel ao convocar as eleições.
Áñez voltou atrás depois de uma união de seu grupo político com forças que se aliaram ao ex-presidente Carlos Mesa no pleito anulado de outubro. "Quero me dirigir às famílias bolivianas para anunciar que tomei a decisão de me apresentar como candidata para as eleições", disse em um evento que contou com a presença de vários de simpatizantes em La Paz.
"Não estava nos meus planos. Nas últimas semanas procuramos construir consensos mínimos com as principais forças e atores políticos, apelando à grandeza deles. Como parte desse processo, conseguimos construir uma grande aliança que me permite ser candidata nessas eleições", disse a presidente.
Com o nome de Áñez oficializado, Mesa, derrotado em primeiro turno por Morales nas eleições anuladas de outubro, perde importantes aliados, como o governador do estado de Tarija, Adrián Oliva, que deixa a coalizão Comunidade Cidadã para se unir ao movimento liderado pela presidente interina.
A expectativa é que o prefeito de La Paz, Luis Revilla, componha a chapa encabeçada por Áñez. No entanto, o nome do candidato à vice-presidência ainda não foi confirmado pela nova aliança política, batizada de Juntos.
Para justificar a mudança de opinião sobre a candidatura, a presidente afirmou que tomou a decisão porque viu que os nomes que se lançaram na corrida eleitoral até o momento não foram capazes de unir os bolivianos.
Áñez não descartou se aliar a outras legendas para formar uma frente mais ampla para enfrentar Luis Arce, ex-ministro da Economia durante grande parte dos três mandatos de Morales e escolhido como candidato do Movimento ao Socialismo (MAS) à presidência.
"Estendo uma mão a eles e garanto que a porta segue aberta para que se unam a esta frente ampla e diversa. Convidamos todas as forças democráticas e líderes sociais a se somarem a essa grande proposta para construir um consenso nacional", afirmou Áñez.
Antes do anúncio, pesquisas indicavam a liderança de Arce, que recebeu a benção de Morales, com 20,7% das intenções votos. Em segundo lugar, aparecia Áñez, com 15,6%, seguida de Mesa, com 13,8%.
A candidatura de Áñez pulverizou ainda mais à oposição ao partido de Morales que disputa os mesmos segmentos do eleitorado da classe-média. Além da atual presidente e Mesa, o ex-presidente de direita Jorge Quiroga e o Luis Fernando Camacho, líder de protestos contra Morales após as acusações de fraude, também disputam o pleito.
A decisão da senadora foi alvo de críticas. O ex-candidato Samuel Doria Medina acusou Áñez de usar o aparato estatal em sua campanha e disse que ela fará exatamente o que criticava em Morales. Quando surgiram os rumores da candidatura de Áñez, Camacho afirmou que "não seria ético" a participação da atual presidente na eleição.
Os bolivianos voltam às urnas no próximo dia 3 de maio para eleger um novo presidente e renovar também os representantes do Legislativo depois da anulação do pleito de outubro por denúncias de fraude apresentadas pela oposição e por entidades como a Organização de Estados Americanos (OEA).

A Bolívia passa por um grave conflito desde o dia seguinte às eleições de 20 de outubro, quando surgiram acusações de que o pleito foi fraudado em favor de Evo Morales, que mais tarde foi proclamado vencedor para um quarto mandato consecutivo.
Em 10 de novembro, a OEA advertiu em um relatório sobre graves irregularidades nas eleições e Morales anunciou sua renúncia, pressionada pelas Forças Armadas, para no dia seguinte seguir em asilo para o México. Depois, ele viajou para a Argentina, onde pediu refúgio político. De Buenos Aires, o ex-presidente coordena a candidatura do MAS para as próximas eleições.
A renúncia de Morales foi descrita como "golpe de Estado" por vários governos e políticos latino-americanos, enquanto outros países reconheceram o governo interino de Áñez. Parte da comunidade internacional insistiu no diálogo sem se pronunciar sobre a crise política na Bolívia.
Mas à repressão violenta aos protestos de partidários de Morales foi criticada pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que denunciou o "uso desproporcional da força policial e militar".
A Comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, também denunciou "o uso inútil e desproporcional da força pela polícia e pelo Exército" na Bolívia.
CN/efe/afp/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos