Complexo Hospitalar de Cuiabá

Complexo Hospitalar de Cuiabá
CENTRAL DE ATENDIMENTO 55 65 3051-3000

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Prefeitura de Cáceres

Prefeitura de Cáceres
Av. Getúlio Vargas, 1895, Vila Mariana Cáceres - MT

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

"Temperatura dos oceanos bate recorde em 2019, diz estudo"

Mar turquesa com ilha no meioCalor absorvido pelos mares nos últimos 25 anos equivale ao gerado por 3,6 bilhões de bombas como a de Hiroshima. Aquecimento disparou nas últimas décadas, o que, segundo cientistas, é "prova do aquecimento global".Em 2019, a temperatura média dos oceanos do mundo atingiu a marca mais alta já registrada, e o ritmo em que eles estão esquentando está se acelerando, aponta um novo estudo divulgado nesta terça-feira (14/01). A temperatura média dos oceanos no ano passado ficou cerca de 0,075 grau Celsius acima da média verificada entre 1981 e 2010, de acordo com um estudo publicado na revista chinesa Advances in Atmospheric Sciences.
Os cientistas calcularam que,nos últimos 25 anos, os oceanos absorveram o equivale ao calor gerado por 3,6 bilhões de explosões como a da bomba de Hiroshima.
O texto, assinado por 14 cientistas de 11 institutos de vários países, indica que as temperaturas mais quentes foram registradas entre a superfície do mar e os dois mil metros de profundidade.
"Esse aquecimento medido dos oceanos é irrefutável e é mais uma prova do aquecimento global", diz Cheng Lijing, principal autor do artigo e professor associado do Instituto de Física Atmosférica da Academia Chinesa de Ciências.
"Não há alternativas razoáveis ​​além das emissões humanas de gases captadores de calor [do efeito estufa] para explicar esse aquecimento", completou.
Os pesquisadores também compararam dados de 1987 a 2019 com o período entre 1955 e 1986. Eles descobriram que, nas últimas seis décadas, o aquecimento mais recente foi cerca de 450% maior que o aquecimento anterior, sugerindo um grande aumento na taxa de alterações climáticas globais.
"É fundamental entender o quão rápido as coisas estão mudando", afirma John Abraham, coautor e professor de Engenharia Mecânica na Universidade de St. Thomas, nos Estados Unidos. "E isso é apenas a ponta do iceberg do que está por vir."
O aquecimento dos oceanos pode causar ondas de calor marinhas, o que, por sua vez, pode levar a grandes perda de vidas marinhas e à formação de furacões, segundo os pesquisadores.
De acordo com os cientistas, é possível trabalhar para reverter os efeitos da atividade humana no clima, mas os mares levarão mais tempo para responder do que ambientes atmosféricos e terrestres. Desde 1970, mais de 90% do calor produzido pelo aquecimento global foram absorvidos pelos oceanos, enquanto menos de 4% foram para a terra e a atmosfera.
MD/efe/dpa/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos