SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

sábado, 15 de fevereiro de 2020

"Semana termina com preços firmes para o boi no Brasil"

Segundo especialista, o pecuarista encontrou as condições necessárias para reter os animais no pasto.O mercado físico do boi gordo segue com preços firmes principais regiões de produção e comercialização do Brasil. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o ambiente de negócios segue propício a esses reajustes, avaliando a retomada do consumo no decorrer da primeira quinzena de fevereiro, com restaurantes industriais e escolas retornando às atividades normais”, assinalou Iglesias. Segundo ele, o pecuarista encontrou as condições necessárias para reter os animais no pasto, avaliando a boa incidência de chuvas a partir da segunda quinzena de janeiro.
Em São Paulo, Capital, os preços do mercado à vista permanecem em R$ 204 a arroba. Em Minas Gerais, preços em R$ 195 a arroba, em Uberaba, com alta diária de um real. No Mato Grosso do Sul, os preços subiram para de R$ 192 a arroba para R$ 194 em Dourados. Em Goiás, o preço indicado ficou em R$ 195 a arroba, em Goiânia, contra R$ 192 a arroba. Já em Cuiabá, no Mato Grosso, o preço permaneceu em R$ 17, em Cuiabá.
Atacado
No atacado, os preços da carne bovina ficaram estáveis após as fortes altas da semana. “A dinâmica de mercado tende a mudar no decorrer da segunda quinzena, avaliando o arrefecimento da demanda que costumeiramente resulta em uma reposição mais lenta ao longo da cadeia produtiva. Além disso, o mercado doméstico não demonstra capacidade de absorver novos reajustes da carne bovina, com o consumidor médio migrando para outras proteínas que causem um menor impacto em sua renda, notadamente a carne de frango”, analisou Iglesias.
O corte traseiro seguiu em R$ 14,65 o quilo. A ponta de agulha permaneceu em R$ 11,95 por quilo. Já o corte dianteiro R$ 12,70 por quilo.
Assessoria/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos