SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

"SISTEMA TRIBUTÁRIO: Setor do comércio pede a deputados ajustes na cobrança do ICMS"

Presidente Botelho garantiu diálogo junto ao governo. A Assembleia Legislativa vai intermediar o diálogo com o governo e setor do comércio para ajustes na cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS, que sofreu alterações neste ano. Uma Câmara Setorial Temática, presidida pelo deputado Carlos Avallone (PSDB), foi criada para acompanhar o setor. A garantia foi dada pelo presidente da ALMT, deputado Eduardo Botelho (DEM), durante reunião do Colégio de Líderes, nesta terça-feira (11), que contou com a presença da diretoria da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – Fecomércio Mato Grosso e da Federação das Associações Comerciais e Empresariais – Facmat.
Na pauta, explanação sobre os impactos causados pelas mudanças do ICMS 2020, feita pelo consultor econômico e tributário, Múcio Ribas, da Fecomércio.
Dentre os questionamentos, o setor alerta sobre a nova forma de cálculo da Margem do Valor Agregado. Destaca que antes, o recolhimento do imposto era feito com base na carga média. E, passou para o regime de Apuração Normal, quando o cálculo é feito pelo valor da mercadoria, conforme explicou o presidente da Fecomércio de Mato Grosso, José Venceslau de Souza Junior.
“Fomos atendidos. O nosso presidente Botelho, junto com o colégio de líderes, ouviu nossa reivindicação. Fizemos nossa demonstração para que entendessem o real aumento dos produtos e acredito que, através da Assembleia Legislativa, vamos entrar no entendimento com a Sefaz, para atender o governo, empresários e cidadão mato-grossense”, afirmou Souza Junior, ao acrescentar que o intermédio da ALMT é importante para explicar a divergência entre o comércio e governo.
“Mostramos aqui que houve aumento em alguns produtos com MVA muito alto, onde o empresário teve que repassar essa alta para o consumidor. Resumindo: quem paga a conta é o consumidor final. Queremos que o governo abra as negociações, através da Casa de Leis e Sefaz, para rever as MVAs e iguale nossos produtos aos estados circunvizinhos, pois Mato Grosso ficou sem competitividade com Mato Grosso do Sul, Goiás e, principalmente, São Paulo. Nosso produto ficou caro”, alertou o presidente da Fecomércio.
Para Botelho, o debate vem no momento certo e garantiu a busca do diálogo para a construção de uma proposta que seja viável. Tanto que determinou a criação da câmara temática para reuniões periódicas. “Quando aprovamos as leis de revisão dos incentivos e realinhamento tributário, em julho do ano passado, já esperávamos que teríamos essas discussões. Houve um diálogo muito importante com o comércio e setores. Saímos com o compromisso de criar uma construção verdadeira e democrática entre o setor, a Assembleia e o governo, que já se propôs a sentar conosco. As pautas que nos apresentaram são perfeitamente discutíveis e tenho certeza que a maioria será acatada”, disse Botelho.
REIVINDICAÇÕES – Na oportunidade, os representantes do comércio solicitaram: decreto do governador ou ato da Secretaria de Fazenda determinando que em relação aos fatos gerados de 2020 seja aplicado o artigo 47-M da Lei 7.098/98, referente a autorregularização, para os casos de irregularidades identificados pela Sefaz;
– Redução das MVAs. A Sefaz chamar os segmentos que estão penalizados para revisão dessas MVAs;
– Aplicação do Crédito Outorgado de 15% para o comércio varejista, conforme autorização pela LC Estadual 631/2019;
– Alteração do prazo de recolhimento antecipado da ST quando o remetente de outra UF não estiver credenciado, do momento da saída do remetente para o momento da entrada no estabelecimento destinatário;
– Criação de uma Câmara Setorial Tributária permanente, com a participação dos segmentos organizados.
Itimara Figueiredo/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos