SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

"Braço Forte do Campo da Cidade e da Forquilha do Manso! Vereador Tito da Forquilha 14.123"

"Braço Forte do Campo da Cidade e da Forquilha do Manso! Vereador Tito da Forquilha 14.123"
"Juntos Somos Mais Fortes

domingo, 26 de abril de 2020

"Mudanças Deixam Marcas Profundas"

Sergio Junqueira, da Revista Eventos, no Grandes Nomes da PropagandaA mudança observada nesse vídeo é provisória. Em algumas semanas, ou meses, os turistas retomarão seu espaço na praia e os pássaros precisarão buscar outro pouso. Mas uma crise como a atual deixa MARCAS PROFUNDAS. Em poucos dias de isolamento, o índice de violência doméstica no Rio de Janeiro aumentou 50%, os consultórios online dos psicólogos nunca estiveram tão congestionados, a internet nunca teve tantas lives, gestos solidários se multiplicaram.
Mas, tudo isso, também, é provisório. Mas as marcas ficam. Vivemos um momento único em que duas revoluções coexistem, a confluência da 4ª Revolução Industrial com a Guerra do Covid-19 poderá ser comparada por historiadores no futuro com a confluência da 1ª. Guerra Mundial e a Revolução Russa. Foi o fim de uma era. O tempo se acelerou, o homem se transformou, a mulher e os negros iniciaram sua luta pela emancipação. E muito, muito mais mudou.
E com a Coronavirus muito mais mudará. Todos os povos saberão a importância de um sistema de saúde devidamente preparado para emergências, e cobrarão de seus governos. Todos saberão que a falta de transparência de seus governos, mata. Todos, ou pelo menos os cultos, saberão que a ciência deve dar a última palavra. E passada a crise, todos aprenderão a ouvir a palavra dos cientistas sobre o clima. Esse é o copo meio cheio do pós-Covid-19.
Mas, na parte vazia do copo, teremos empresas que não sobreviveram, profissionais que tiveram que buscar outras fontes de sustento. Quanto a crise acabar, e um dia ela vai acabar, as empresas voltarão a realizar eventos - e elas voltarão por que precisarão fazer lançamentos de produtos que surpreendam e encantem seus consumidores, convenções que gerem experiências e profundo conhecimento de suas estratégias, estandes que promovam seus produtos e ações de PDV que demonstrem a excelência do que estão vendendo.
Mas, se não cuidarem de seus fornecedores, ou seriam parceiros, agora, não poderão contar com eles no futuro, pois terão ficado pelo caminho. E fazer eventos será ainda mais difícil, exigirá mais vivência, mais profissionalismo, pois terá que aproveitar toda cultura anterior do setor, e a experiência do uso da tecnologia adquirida no período do isolamento horizontal. Seremos híbridos, phygitais, a experiência do olho no olho será completada por plataformas online de engajamento, exponenciando o processo de formação de comunidades.
E essa será a mudança duradoura.

Palestra proferida na live semanal da consultoria MICE+T BRASIL no dia 20 de abril de 2020
Sergio Junqueira Arantes/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos