SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

terça-feira, 5 de maio de 2020

"Projetos criam fila única para atender pacientes com Covid-19 em UTIs públicas e privadas"

Saúde - doenças - coronavírus Covid-19 pandemia leitos hospitalares internação UTIs hospital campanha profissionais saúde (infraestrutura montada no Pará para atender infectados)A ideia é impedir que pacientes com plano de saúde tenham prioridade no acesso a UTIs da rede privada. Projetos em análise na Câmara dos Deputados criam uma fila única para o atendimento de pacientes com Covid-19 em qualquer unidade de terapia intensiva (UTI) do País, pública ou privada. Uma deles é o Projeto de Lei 2333/20, apresentado pela bancada do Psol, que estabelece a gestão unificada de todos os leitos hospitalares do País, incluindo unidades militares, filantrópicas e privadas, a fim de assegurar o atendimento universal e igualitário a pacientes com a doença. A proposta institui a Fila Única Emergencial para a Gestão de Leitos Hospitalares, que deverá ser respeitada enquanto durar o estado de calamidade pública reconhecido pelo Congresso Nacional – até 31 de dezembro de 2020. Segundo o texto, caberá a estados, Distrito Federal e municípios organizar e coordenar as internações nas respectivas regiões de competência. A formação da fila deverá levar em conta a gravidade do caso e a ordem cronológica de chegada do paciente à lista de internação.
"Entendemos que a utilização dos leitos privados será a diferença entre a vida e a morte de muitos cidadãos”, diz a líder do partido, deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS). "Ratificando nosso compromisso com a Lei Orgânica do SUS [Sistema Único de Saúde] e com os mandamentos constitucionais de universalidade e equidade sanitária, entendemos que a Fila Única Emergencial poderá dotar os gestores públicos das melhores condições para garantir o acesso coordenado e unificado de todos a toda capacidade hospitalar instalada no País”, conclui.
O projeto também proíbe expressamente o uso da capacidade de pagamento individual do paciente como como critério para composição da fila única. A prática é definida como fraude punível nas esferas cível, administrativa e penal. O texto ainda veda negar atendimento ou investigar, por qualquer meio, se o cidadão que procura atendimento tem ou não plano ou seguro de assistência à saúde.
Já os projetos de lei 2176/20 e 2301/20, respectivamente dos deputados do PCdoB, Orlando Silva (PCdoB-SP) e Daniel Almeida (PCdoB-BA), foca em pacientes com Covid-19 em estado grave.
Silva destaca que a Constituição Federal já prevê a possibilidade de intervenção do Estado no domínio privado em caso de grave e iminente perigo público. "Segundo especialistas, o número de pessoas contaminadas que demandarão leitos de UTI crescerá a tal ponto que colapsará todo o sistema de saúde, público e privado”, diz o deputado.
Ele observa que o  SUS conta com apenas 44% dos leitos de UTIs do País, já que a maioria (56%) está na rede privada. “Ocorre que os leitos do SUS atendem a 75% da população, enquanto os leitos privados, que estão em maior número, atendem a apenas 25% da população”, argumenta.
Almeida, por sua vez, lembrou que muitos governadores têm se esforçado para aumentar o número de leitos públicos com a criação de hospitais de campanha. "Apesar desse empenho, a questão permanece insolúvel, tornando essencial que a regulação dos leitos do setor privado seja organizada por gestores públicos em cada unidade federativa”, diz.
Outro projeto que regulamenta a ocupação dos leitos hospitalares no Brasil é o PL 1254/20, do deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP). Ele destaca que objetivo é evitar que determinadas pessoas ou classes sociais sejam privilegiadas, em prejuízo de outras. “O uso da pessoalidade nos serviços públicos não é lícito e precisa ser coibido”, diz.
Reportagem – Murilo Souza
Edição – Régis Oliveira
Foto: Divulgação/Agência Pará
Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos