SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

sexta-feira, 12 de junho de 2020

"Bolsonaro recria Ministério das Comunicações"

O presidente Jair Bolsonaro nega que ministério seja aceno ao centrãoExtinta por Temer, pasta volta turbinada e passará a ser responsável pelo controle e distribuição das verbas publicitárias do governo. Ministro será deputado do "centrão" Fábio Faria, genro de Silvio Santos.O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quarta-feira (11/06) a recriação do Ministério das Comunicações, pasta que havia sido extinta durante o governo Michel Temer. O ministério nascerá a partir da divisão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, hoje chefiado por Marcos Pontes e que vinha sendo alvo de cobiça de partidos do "centrão” em meio às negociações com Bolsonaro. A pasta renasce turbinada: vai incorporar, por exemplo, as funções da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) e passará a ser responsável pelo controle e distribuição das verbas publicitárias do governo.
Atualmente, a Secom está nas mãos do publicitário Fabio Wajngarten, considerado um amigo dos filhos do presidente e que é ligado à chamada "ala ideológica” do governo.
O ministro será o deputado Fábio Faria (PSD-RN), genro do empresário Silvio Santos, dono do SBT. Seu partido é integrante do chamado "centrão", bloco de legendas com quem Bolsonaro vem negociando a formação de uma base de apoio no Congresso.
"Nesta data, via MP, fica recriado o Ministério das Comunicações a partir do desmembramento do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações”, disse Bolsonaro no Facebook. Segundo o Palácio do Planalto, o novo ministério não aumentará as despesas.
As negociações com o "centrão" ganharam força ao mesmo tempo em que cresce a atenção em torno da possibilidade de um processo de impeachment contra Bolsonaro ou possível avanço de investigações contra o entorno do presidente. Integrantes ou indicados do "centrão", até então, ocupavam apenas cargos de fora do primeiro escalão do governo.
No final da noite de quarta, Bolsoanaro negou que o novo ministério seja uma sinalização ao "centrão" – ele disse, segundo o jornal Folha de S. Paulo, que "não teve acordo com ninguém" e que nem sabia de qual partido é Faria.
Na mesma fala, o presidente disse também que pretende privatizar o mais rapidamente possível a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que será incorporada ao novo ministério.
Ainda não foi divulgado todas as estruturas que serão transferidas para a recém-criada pasta. Mas a expectativa é que entrem nela pautas que já estavam sob sua tutela no governo Temer. Entre essas atribuições, a definição de políticas públicas dos serviços de telecomunicações (telefonia fixa, móvel e internet) e de radiodifusão (concessão de rádios e TVs).
RPR/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos