SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

sexta-feira, 5 de junho de 2020

"CORONAVÍRUS: Brasil ultrapassa Itália e é terceiro país com mais mortes por covid-19"

Coveiros enterram pessoas que morreram de covid-19 no Rio de JaneiroNo 100º dia da epidemia, país tem recorde diário de 1.473 mortos, indicando que a covid-19 mata mais de um brasileiro por minuto. Devido à falta de testes, total de casos deve ser bem maior que os 614.941 contabilizados. Exatos cem dias após o primeiro caso registrado, o Brasil ultrapassou nesta quinta-feira (04/06) a Itália e tornou-se o terceiro país com mais mortes pela covid-19, após
atingir um novo recorde diário de 1.473 óbitos nas últimas 24 horas, segundo os dados do Ministério da Saúde. No total, o Brasil contabiliza 34.021 mortes e 614.941 casos confirmados, entre os quais 254.963 já recuperados e 325.957 ainda sob acompanhamento médico.
Tendo em conta os dados desta quinta-feira, a covid-19 já mata mais de um brasileiro por minuto. Especialistas da área de saúde afirmam, porém, que os números reais devem ser bem maiores devido à falta de testes.
Do total de infectados, 30.925 foram registados nas últimas 24 horas, comunicou na noite de quinta-feira o Ministério da Saúde, com três horas de atraso em relação ao horário normal de divulgação.
Em relação ao número de mortes, o Brasil está apenas atrás dos Estados Unidos (108.211) e do Reino Unido (39.987). O país ocupa a segunda posição mundial no número de casos diagnosticados, segundo a Universidade Johns Hopkins.
A Itália, que foi um dos epicentros da pandemia na Europa, tem agora 33.689 mortes por covid-19. Enquanto em muitos países europeus a curva gráfica da evolução da epidemia "achatou", no Brasil ela continua subindo, o que indica que as próximas semanas serão ainda mais trágicas no país.
O aumento no número de mortes e de infectados ocorre num momento em que governadores e prefeitos têm anunciado a flexibilização das medidas de isolamento social, como em São Paulo, Rio de Janeiro, Amazonas ou Distrito Federal.
São Paulo, maior foco da covid-19 no país, concentra oficialmente 129.200 casos de infeção e 8.560 mortos, sendo seguido pelo Rio de Janeiro, que totaliza 60.932 pessoas diagnosticadas e 6.327 óbitos.
Todas as 27 unidades federais do Brasil já ultrapassaram os mil casos da doença causada pelo novo coronavírus.
Segundo um estudo da Universidade de São Paulo (USP), o Brasil é o único país entre os dez mais afetados que manteve o crescimento do número de casos e de mortes passados 50 dias do início da pandemia e, atualmente, passados cem dias, tem a maior curva ascendente de contágios no mundo.
"A partir do dia 50 esses países colocaram o pé no freio, e nós não. Somos os únicos que seguimos com o pé no acelerador", afirmou o coordenador do estudo, professor Domingo Alves.
O presidente da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICR), Francesco Roca, afirmou que o Brasil é uma das principais preocupações do organismo humanitário porque "muita gente morre e nada indica que a curva vá se reduzir".
AS/lusa/afp/efe/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos