SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

domingo, 7 de junho de 2020

"CORONAVÍRUS: Governo deixa de divulgar total de mortos e casos de covid-19"

Jair BolsonaroJair Bolsonaro confirma que apenas números diários do novo coronavírus serão informados. Segundo Ministério da Saúde, mudança retrata melhor o momento do país. Alteração gera preocupação sobre manipulação de dados.Com o avanço da covid-19 no Brasil, o governo de Jair Bolsonaro vem diminuindo a transparência dos dados sobre a epidemia, passando a atrasar a divulgação dessas informações, e nesta sexta-feira (05/06) simplesmente deixou de informar o número total de mortes e de casos. O boletim diário divulgado pelo Ministério da Saúde mostrou apenas as infecções e óbitos confirmados nas últimas 24 horas. A mudança aparentemente veio para ficar e foi confirmada neste sábado pelo próprio presidente, que repostou uma nota divulgada pelo Ministério da Saúde que diz ter adequado a divulgação dos dados. Na nota, é alegado que a divulgação apenas dos dados das 24 horas "permite acompanhar a realidade do país"."Ao acumular dados, além de não indicar que a maior parcela já não está com a doença, não retratam o momento do país. Outras ações estão em curso para melhorar a notificação dos casos e confirmação diagnóstica", diz o texto. A nota também alegou que o atraso na divulgação seria para evitar subnotificação.
Além de deixar de apresentar os números totais da covid-19, o governo também tirou do ar a página do Ministério da Saúde que divulgava essas informações. Cabe à pasta consolidar e divulgar os dados fornecidos pelas secretarias estaduais sobre o avanço da epidemia.
Antes de parar de divulgar os números totais, o Brasil teve dois dias consecutivos de recordes de morte por covid-19. Na quarta, foram registrados 1.349 óbitos. Na quinta, 1.473. O Ministério da Saúde também atrasou até as 22h a divulgação dos dados nesses dias.
Os atrasos na divulgação dos dados começaram com a saída do governo do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta. Em sua gestão, essas informações eram apresentadas por volta de 17h no horário de Brasília, durante coletivas de imprensa.
Depois, com a nomeação de Nelson Teich para a chefia da pasta, passaram a ser divulgados por volta das 19h. No final de maio, já sem Teich na pasta, os dados passaram a ser publicados com atrasos cada vez mais constantes, muitas vezes depois das 20h.
Nesta quarta-feira, uma nova marca: 22h. Na ocasião, a pasta alegou "problemas técnicos" para explicar a demora. Estranhamente, quando a tabela foi finalmente distribuída, ela indicava que os números haviam sido fechados às 19h.
Nesta quinta-feira, os dados foram novamente divulgados às 22h. Dessa vez, a pasta não deu nenhuma explicação, apenas negou que os atrasos tenham sido propositais.
Ao ser questionado na sexta-feira sobre os atrasos, Bolsonaro respondeu apenas que "acabou a matéria no Jornal Nacional" e disse que não interessa de quem partiu a ordem para a mudança, alegando ser "mais justo" divulgar os dados às 22h. "Ninguém tem que correr para atender a Globo", acrescentou.
Na ocasião, o presidente também defendeu excluir do balanço diário os números de mortes que ocorreram nos dias anteriores, mas cujas confirmações dos testes só saíram em dias posteriores. Atualmente, o boletim inclui os dados das últimas 24 horas e os resultados de exames anteriores confirmados na data da divulgação.
Essa mudança é defendida também pelo futuro secretário de ciência e tecnologia do Ministério da Saúde, Wizard Martins. "Vamos rever os critérios com que estão sendo contabilizados os dados. Não é rever o passado, não vamos desenterrar mortos", disse Wizard em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo. "O passado já passou, estamos preocupados daqui para a frente", afirmou. Ele havia sugerido anteriormente que os números não corresponderiam com a realidade.
"Proposta é autoritária, insensível, desumana e antiética"
A proposta e as mudanças já concretizadas foram criticadas por políticos e entidades, que temem uma possível manipulação nos dados. Em nota, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) repudiou a nomeação e as insinuações de Wizard.
"A tentativa autoritária, insensível, desumana e antiética de dar invisibilidade aos mortos pela covid-19 não prosperará. Nós e a sociedade brasileira não os esqueceremos e tampouco a tragédia que se abate sobre a nação", diz o Conass.
O deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ) disse que o governo pretende alterar os dados para esconder a realidade. "Bolsonaro está desesperado para manipular o número de mortos, que sobe aceleradamente por causa da irresponsabilidade dele. Negar a realidade é regra nesse governo", afirmou.
O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) também vê uma tentativa de manipulação com a mudança e afirmou que seu partido entrará com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir a transparência.
Diante das mudanças, o Legislativo e o Judiciário passaram a se articular para obter e divulgar essas informações. Segundo o jornal O Globo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, pediu a Jorge Oliveira, que comanda a Secretaria-Geral da Presidência, que o governo volte atrás e continue divulgando os dados como no início da epidemia. Ele pretende ainda organizar uma divulgação desses dados em parceria com a Fiocruz.
Já o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Bruno Dantas sugeriu que os tribunais de contas federais e estaduais reúnam esses dados para uma divulgação diária até as 18h. A proposta foi endossada pelo ministro do STF Gilmar Mendes.
CN/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos