SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

sábado, 6 de junho de 2020

"ONU lança iniciativa para zerar emissões até 2050"

Iniciativa da ONU visa eliminar emissões de gases causadores do efeito estufa, como o dióxido de carbono, até 2050Campanha "Race to Zero", lançada no Dia Mundial do Meio Ambiente, visa alertar para a necessidade de ações mais decisivas na proteção do clima e já conta com a adesão de centenas de cidades, empresas e universidades.O secretariado da ONU para o clima lançou nesta sexta-feira (05/06), quando se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, uma nova iniciativa de combate às mudanças climáticas.
Com o lema "Race to Zero" ("corrida para o zero"), a campanha tem como objetivo eliminar as emissões de gases causadores do efeito estufa, como o dióxido de carbono, até, o mais tardar, 2050. De acordo com a ONU, quase mil empresas, 458 cidades, 24 estados e regiões, 500 universidades e 36 investidores de grande porte já se comprometeram com a meta ambiciosa estipulada pela iniciativa. Entre estas, empresas como a Rolls-Royce, Nestlé e o conglomerado têxtil Inditex.Mais de 120 países também adotaram a meta de se atingirem a neutralidade climática até 2050. O presidente da próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 26), o ministro britânico da Energia, Alok Sharma, declarou que as economias mundiais devem ser reconstruídas de modo mais sustentável e limpo após a pandemia de covid-19.
Em sua avaliação, a iniciativa "Race to Zero" deve ser voltada para incentivar empresas e governos regionais a demonstrar mais ambição na proteção do clima.
Ocorrências de climas extremos em diferentes partes do mundo – como furacões gigantescos na África Oriental, incêndios florestais devastadores nos Estados Unidos e na Austrália e o encolhimento das camadas de gelo nos polos – servem como demonstração do que poderá acontecer se a humanidade não conseguir conter o aquecimento global.
Segundo o Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas, o planeta está em torno de 1º C mais quente do que era no período pré-industrial. Os últimos quatro anos foram os de temperaturas mais altas desde o início dos registros.
RC/dpa/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos