SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

segunda-feira, 22 de junho de 2020

"Pyongyang anuncia disparo de 12 milhões de panfletos contra a Coreia do Sul"

Balões de gás vistos no céu contra o solCoreia do Norte diz que está preparando vários métodos de envio de mensagens de propaganda, incluindo o uso de 3 mil balões. Seul afirma que responderá militarmente, dependendo do equipamento usado.O governo da Coreia do Norte está se preparando para enviar cerca de 12 milhões de folhetos de propaganda para a Coreia do Sul, usando 3 mil balões, informou nesta segunda-feira (22/06) a mídia estatal norte-coreana.
O regime liderado por Kim Jong-un tinha ameaçado implementar a medida após anunciar, na semana passada, a suspensão do diálogo com o país vizinho e que iria enviar tropas para a fronteira entre as duas Coreias por causa do envio de propaganda para a Coreia do Norte, o que, segundo Pyongyang, viola o pacto bilateral de 2018.
"Os preparativos para a distribuição mais ampla de folhetos até o momento estão quase completos", informou a agência estatal da Coreia do Norte, a KCNA, acrescentando que a iniciativa, cuja data não foi divulgada, é uma "retaliação contra aqueles que lançaram um insulto intolerável" para o país.
O regime de Pyongyang imprimiu cerca de 12 milhões de panfletos que expressam a "raiva e ódio" do povo norte-coreano e também preparou "vários tipos de equipamentos" para disseminar essa propaganda no território sul-coreano, o que inclui cerca de três mil balões, de acordo com a KCNA.
As tensões na península coreana têm aumentado nas últimas semanas e atingiram um ápice quando a Coreia do Norte destruiu um escritório de relacionamento com a Coreia do Sul na cidade fronteiriça de Kaesong na semana passada, após ativistas sul-coreanos enviarem mais de 500 mil panfletos no final de maio com conteúdo criticando o ditador Kim Jong-un.
Citando a ação usando os folhetos como justificativa, Pyongyang cortou todas as linhas de comunicação transfronteiriças e ameaçou tomar medidas para anular os acordos firmados em 2018 para aliviar as tensões na fronteira, além de seu próprio envio de folhetos de propaganda para o país vizinho.
Segundo o comunicado, Pyongyang preparou vários métodos para enviar os panfletos, incluindo os balões, de forma que o material consiga entrar "profundamente dentro da Coreia do Sul".
A Coreia do Sul instou o rival do norte a suspender seu plano de enviar panfletos de propaganda através da fronteira. Yoh Sangkey, porta-voz do Ministério da Unificação, disse a repórteres que Pyongyang deve abandonar seu plano de enviar panfletos que "não são de todo úteis para as relações Sul-Norte".
O ministro da Defesa da Coreia do Sul, Jeong Kyeong-doo, disse aos parlamentares que Seul tomará medidas "imediatas, rápidas e correspondentes" a qualquer provocação da Coreia do Norte, informando a forma como seus militares reagirão de acordo com o equipamento usado por Pyongyang para envio dos folhetos.
Guerra de folhetos
As opções de Pyongyang ao sul da fronteira são limitadas, mas alguns analistas acreditam que drones podem ser um método à disposição para o envio de material de propaganda, se o clima não for favorável para balões, o que pode causar uma resposta militar de Seul contra esses dispositivos não tripulados.
Em 2018, as Coreias do Norte e a Coreia do Sul concordaram em interromper as hostilidades ao longo da fronteira comum, as quais incluíam guerra psicológica, como folhetos e transmissões de propaganda. No entanto, o acordo não especificou se folhetos civis também seriam proibidos.
Consequentemente, ativistas sul-coreanos continuaram enviando grandes balões carregando folhetos contra a Coreia do Norte, além de folhetos críticos ao programa nuclear e às violações aos direitos humanos.
O governo de Seul procurou responder rapidamente, adotando uma lei proibindo ativistas civis de lançarem balões através da fronteira. No entanto, a suspensão total de tais atividades ainda não ocorreu. Um ativista sul-coreano disse recentemente que enviaria cerca de um milhão de folhetos pela fronteira na quinta-feira, o 70º aniversário do início da Guerra da Coreia.
MD/ap/dpa/afp/lusa/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos