SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

"Braço Forte do Campo da Cidade e da Forquilha do Manso! Vereador Tito da Forquilha 14.123"

"Braço Forte do Campo da Cidade e da Forquilha do Manso! Vereador Tito da Forquilha 14.123"
"Juntos Somos Mais Fortes

segunda-feira, 6 de julho de 2020

"Após sofrer ataques, Renato Feder recusa convite para assumir MEC"

Brasilien Renato Feder (Regierung des Bundesstaates Paraná (AEN))Secretário paranaense cotado para assumir Ministério da Educação vinha sofrendo com rejeição de "olavistas" e de apoiadores mais radicais do governo. "Declino do convite recebido", disse.Após sofrer uma série de ataques em redes sociais, o empresário Renato Feder afirmou neste domingo (05/07) que decidiu recusar o convite do presidente Jair Bolsonaro para assumir o Ministério da Educação.
"Recebi na noite da última quinta-feira uma ligação do presidente Jair Bolsonaro me convidando para ser ministro da Educação. Fiquei muito honrado com o convite, que coroa o bom trabalho feito por 90 mil profissionais da Educação do Paraná. Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro, por quem tenho grande apreço, mas declino do convite recebido. Sigo com o projeto no Paraná, desejo sorte ao presidente e uma boa gestão no Ministério da Educação", escreveu Feder em um comunicado reproduzido no Twitter e no Facebook.
Atual secretário de Educação do Paraná, Feder já havia sido cotado para assumir o MEC após a saída de Abraham Weintraub em 18 de junho. À época, ele chegou a conversar com o presidente, mas Bolsonaro acabou escolhendo Carlos Alberto Decotelli. Após a queda deste antes mesmo da posse, por causa do escândalo provocado por falsificações em seu currículo acadêmico, Feder voltou a ser cotado para o cargo.
Se Decotelli durou apenas cinco dias no MEC entre sua indicação e saída, Feder ficou apenas dois na condição de convidado.Na sexta-feira, a escolha do nome chegou a ser dada como certa por alguns aliados de Bolsonaro. Mas também desagradou os setores mais radicais do bolsonarismo, especialmente os ligados ao guru ultraconservador Olavo de Carvalho, que exerce forte influência sobre os filhos do presidente. Esses grupos veem o MEC como um palco para uma "guerra cultural" contra a esquerda e não querem que o ministério seja ocupado por um empresário que não compartilha dessa agenda extremista. 
"Quem f... a educação nacional? Três turminhas: (a) militares, (b) comunistas, (c) empresários metidos a gênios.", escreveu Olavo em seu perfil no Twitter na última sexta-feira. Olavo havia influenciado a escolha de dois ministros da Educação do governo Bolsonaro: Vélez Rodríguez e Weintraub.
Nas redes sociais, olavistas e bolsonaristas mais radicais chegaram a acusar Feder de distribuir no Paraná livros que promovem da "ideologia de gênero" como forma de desgastar o seu nome. As alas radicais também exploraram o fato de Feder ter doado dinheiro para a campanha do governador paulista João Doria, um adversário do presidente, em 2018. Neste domingo, Feder chegou a publicar um longo texto rebatendo vários desses ataques.
O nome também não havia agradado políticos evangélicos que apoiam o presidente. No sábado, alguns veículos da imprensa já apontavam que Bolsonaro havia decidido descartar Feder de vez. 
A oposição de esquerda no Congresso também via o nome de Feder com desconfiança por ele ter uma "visão de mercado" em relação à educação. Em 2007, ele chegou a propor a privatização de todo o ensino brasileiro – mas disse recentemente que não defende mais essas ideias. No entanto, as críticas da oposição contra Feder não parecem ter sido mais eficazes do que os ataques lançados pelos próprios apoiadores do presidente.
Já os defensores da escolha de Feder eram principalmente políticos ligados ao "Centrão" do Congresso, governadores e empresários ligados ao setor de educação, que estavam fartos da gestão tumultuada do radical Weintraub.
A própria nomeação de Decotelli  já havia sido encarada no setor educacional como uma derrota para os olavistas, mas eles nem chegaram a organizar uma reação, já que o professor caiu em poucos dias após a revelação dos problemas em seu currículo. Mesmo com a saída de Weintraub, vários olavistas ainda ocupam cargos no MEC, como Carlos Nadalim, secretário de Alfabetização.
JPS/ots/cp
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos