SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

sábado, 25 de julho de 2020

"CORONAVÍRUS: Brasil acumula mais de 85 mil mortes por covid-19"

Brasilien I Coronavirus (picture-alliance/E. Lustosa)Mais 1.156 mortes foram registradas nas últimas 24 horas. Total de casos da doença identificados chega 2,34 milhões, após a notificação de mais 55 mil diagnósticos com resultado positivo. Números do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) divulgados nesta sexta-feira (24/07) apontam que mais 1.156 mortes por covid-19 foram notificadas no Brasil nas últimas 24 horas. Com isso, o total de óbitos pela doença oficialmente identificados chegou a 85.238, segundo atualização publicada às 18h (horário de Brasília). O Brasil ainda registrou oficialmente mais 55.891 casos, elevando o total para 2.343.366. É o terceiro pior aumento diário desde o início da pandemia, ficando apenas atrás dos recordes de quarta-feira (67,8 mil) e quinta-feira (59,9 mil)
Diversas autoridades e instituições de saúde em todo o país, no entanto, alertaram que os números reais da doença devem ser maiores em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.
O Conass não informou o número de curados no Brasil. Segundo dados do Ministério da Saúde divulgados nesta sexta-feira, 1.592.281 já se recuperaram.
O Brasil é o segundo país do mundo com maior número de casos de covid-19 oficialmente notificados. Só está atrás dos Estados Unidos, que na quinta-feira cruzaram a marca de 4 milhões de casos.
Já a taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes chegou a 40,6. Em número total de óbitos, o país ocupa a segunda posição no mundo – novamente atrás dos EUA, que acumulam mais de 144 mil mortes.
Já no cálculo levando em conta a população, o Brasil aparece em 12° – bem à frente de países vizinhos, como a Argentina (6,07) e o Uruguai (0,99). Na semana passada, o Brasil ultrapassou a Holanda e a Irlanda em número de mortes por 100 mil habitantes.
Nações europeias duramente atingidas pela doença, como o Reino Unido (68,64) e a Bélgica (85,90), ainda aparecem bem à frente, mas esses países começaram a registrar seus primeiros casos entre três e quatros semanas antes do Brasil, e o número de óbitos diários está caindo – no caso britânico, está na casa das dezenas, já a Bélgica tem registrado vários dias seguidos sem mortes. Os dois países também registrado apenas algumas centenas de novos casos da doença por dia.
Na semana passada, o Brasil completou dois meses sem um ministro da Saúde. O posto vem sendo ocupado interinamente desde 15 de maio pelo general Eduardo Pazuello, que não tinha experiência na área e indicou militares para quase todos os postos-chave do ministério. Na sua gestão, as mortes e novas notificações de casos dispararam no país. Foram quase 70 mil novos óbitos registrados desde que a pasta passou a ser gerida por Pazuello e outras dezenas de militares.
Na prática, o ministério, sob os militares, vem referendando sem questionamentos as diretrizes do presidente Jair Bolsonaro, que é contra medidas amplas de isolamento social e que promove a cloroquina como uma “cura” contra a covid-19, mesmo sem embasamento científico. Sob a intervenção pessoal de Bolsonaro e do Exército, o ministério também tentou esconder os números da pandemia no início de junho, mas voltou atrás após ordem do Supremo Tribunal Federal.
Segundo a Universidade Johns Hopkins, 636 mil pessoas já morreram de covid-19 no mundo. O número de casos identificados chega a 15,6 milhões em todo o planeta.
JPS/ots/cp
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos