SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

segunda-feira, 27 de julho de 2020

"Plano Marshall não é modelo adequado para recuperação da UE"

Bandeira da União Europeia e euro rasgadoPacote pós-pandemia, com dívida comum europeia, é um "momento histórico" para muitos políticos. Mas deve-se evitar repetir erros do passado e, sobretudo, colocar as verbas onde elas tenham futuro, opina Andreas Noll. A narrativa soa convincente: um fundo de recuperação conferirá novas forças à União Europeia em dificuldades econômicas devido à epidemia de covid-19, além de emitir um sinal de solidariedade. Os ombros fortes ajudam os mais fracos. Uma vez que essa solidariedade teoricamente suscita gratidão, o programa também freará os populistas: mais dinheiro de Bruxelas é igual a menos votos para Matteo Salvini e companhia.
Essa é a equação simplista, que no passado infelizmente nunca deu resultado. Em contrapartida, o modelo histórico é eloquente: após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos organizaram o Plano Marshall, um fundo de reconstrução para a Europa que virou lenda.
Só que no momento pouco há para reconstruir na UE, não há carência de gêneros alimentícios para aplacar. O que existe, acima de tudo, são cobranças a financiar: seguro-desemprego e jornadas reduzidas, aposentadorias, mensalidades do seguro-saúde. A seguridade social é ainda mais cara em épocas de crise, e a maioria dos orçamentos estatais já está sobrecarregada. Mas para fechar esses buracos orçamentários, no momento a UE é o endereço menos apropriado que se possa imaginar.
Não se pode falar de apoio aos desempregados sem discutir a duração e valor das subvenções; não se pode falar de pensões sem discutir a idade de aposentadoria. Mas nenhum Estado-membro da UE quer conceder a eleitores estrangeiros poder de ingerência sobre as questões de orçamento nacional – muito menos partindo dos países que gritam mais alto por socorro.
Os políticos envolvidos no pacote sabem que não há como defender, perante os cidadãos, o financiamento estatal através da comunidade europeia, e frisam: não se trata de "más velhas dívidas", mas sim de "boas novas dívidas". E assim se definem projetos futuros visando fortalecer a Europa.
É claro que ninguém está pensando numa nova edição dos aeroportos-fantasmas da Espanha construídos com verbas da UE. Mas quem garante que desta vez a coisa andará melhor? – afinal de contas, trata-se de gastar mais num prazo menor. Os próprios cidadãos já identificaram os pontos de fissura: na Bulgária eles vão às ruas pelo medo de que o dinheiro de Bruxelas volte a sumir por canais escusos.
Quem vai pagar por esta chuva de ouro da UE será a geração jovem, em algum momento. Num estudo minucioso, o sociólogo grego Michael Kelpanides mediu o grau de consciência europeia dessa geração. Para tal, foi aonde a sensibilidade para as vicissitudes alheias deveria ser especialmente desenvolvida: à mais antiga escola europeia do continente, em Luxemburgo.
Sua decepcionante conclusão: "A confluência de grupos nacionais muito heterogêneos, que só se conheciam superficialmente, os faz finalmente se conscientizarem de quão diferentes são. E essa constatação pode ter como consequência, em vez de coesão, uma decidida separação recíproca."
A pesquisa de Kelpanides é apenas uma pedra do mosaico, mas mostra que quem acredita na maravilhosa ideia da Integração Europeia não deve sobrecarregar os cidadãos.
Mas agora que os dados já foram lançados, é hora de a UE direcionar as verbas para onde, no futuro, os europeus realmente terão que ser mais fortes juntos. Para a defesa europeia conjunta, por exemplo – à qual, contudo, não coube uma fatia especialmente generosa nas negociações sobre o pacote de recuperação, com apenas 7 bilhões de euros.
A UE também poderia continuar lá onde se viram os mais belos sinais de solidariedade europeia durante a crise. Diversos países-membros (e a Suíça!) receberam pacientes graves de covid-19 dos hospitais do Norte da Itália e do Leste da França.
Um registro comum europeu dos leitos de tratamento intensivo; a garantia de que em tempos de crise todos os países europeus se apoiarão mutuamente, sem burocracia, na assistência de saúde, partilhando leitos e medicamentos, não estocando máscaras: esse seria um sinal histórico.
Um sinal para o qual nem seria necessário exibir cartazes com o aviso "financiado com recursos da União Europeia".
Andreas Noll/Caminho Político
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos