SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

segunda-feira, 20 de julho de 2020

"Representatividade: é preciso mudar o referencial de quem é digno de ocupar o poder *Glaucia Amaral"

Em outubro de 2018, pouco depois do resultado das eleições, lembro de ter ido a público enquanto presidente do Conselho Estadual de Direitos da Mulher para parabenizar às mulheres eleitas naquele ano. Naquela eleição tivemos um marco em nossa história: o número de mulheres eleitas em 2018 cresceu 52,6% em relação ao processo eleitoral de 2014 no país. Para uma parte da população que a menos de 100 anos não podia votar, é uma vitória. Em 25 de outubro de 1927, o movimentos ufragista no Brasil alcançou sua primeira
conquista: o reconhecimento do alistamento eleitoral feminino no estado do Rio Grande do Norte. Representatividade, porém, não se resume a um único poder. Lógico. A ideia sequer se sustentaria se atrelada à política eleitoral.
O Estado brasileiro é composto de três poderes e se hoje, por competência e modificação constitucional que enfocam impessoalidade, eficiência e legalidade, o ingresso nos cargos públicos já é acessível e ocupado por mulheres, o mesmo não se pode dizer das chefias de Poder, ou órgãos. Ou seja, não é apenas o “estar”. Estar por ser esposa de fulano, filha de sicrano... (a triste história de nossas primeiras candidatas, que até hoje ainda vemos despontar).
Nós, mulheres, por nossas competências e justamente por termos habilidades e perfis diferentes, podemos e precisamos ocupar lugares de decisão, seja em entidades públicas ou privadas. A equidade de gêneros é fundamental para a eficiência. É impossível gerir, legislar, administrar ou, na iniciativa privada, ser bem-sucedido com seu público, se o pensamento que lidera enxerga só a dinâmica social do ponto de vista de metade da população. A diversidade promove referências e pontos de vista completamente diferentes. As pesquisas e projetos no país podem provar.
A iniciativa da consultoria GPTW (Great Place to Work, na tradução livre Ótimo Lugar para Trabalhar), por exemplo, está há 4 anos no Brasil e realiza anualmente o GPTW Mulher, com o objetivo de premiar as melhores empresas para mulheres trabalharem no Brasil. De acordo com a consultoria, em 2019 as empresas premiadas tiveram um aumento de faturamento de 12,2% em média, um crescimento seis vezes maior do que o registrado no mercado em geral.
Também é desta consultoria a observação de que nas últimas duas décadas, 8,4 milhões de brasileiras entraram no mercado de trabalho e que as mulheres movimentam R$ 1,7 trilhão por ano. Segundo dados do Locomotiva Instituto de Pesquisa, uma equiparação de salários entre homens e mulheres no Brasil colocaria R$ 484 bilhões na economia por ano. E não são apenas os números da economia que importam.
Representatividade tem um efeito muito maior: a função propedêutica. O mundo que estamos criando. Quando falamos em representatividade, em ocupar funções e cargos de gestão em órgãos públicos, estamos mostrando de forma simbólica para meninos e meninas que estão em casa que a igualdade é algo natural. Como é possível legislar, pensar em políticas públicas e em decisões de âmbitos judiciais que reflitam em nós, mulheres, mas que não nos envolve no debate? Somos uma sociedade patriarcal, que por séculos foi pensada e governada para e por homens. Muito do que somos hoje é o retrato de heranças em que não éramos vistas como sujeito social.
Vale lembrar, no entanto, que a sociedade é dinâmica e que nós, mulheres, podemos e devemos ser construtoras das normas sociais. Nossa participação em todas as esferas do poder é urgente. A mudança já começou, mas é preciso entender que o caminho não tem um fim e que avançar na luta por nossos espaços é um trabalho diário.
Glaucia Amaral é procuradora do Estado de Mato Grosso, presidente do Conselho Estadual de Direitos da Mulher e da APROMAT.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos