SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

terça-feira, 21 de julho de 2020

"UNIÃO EUROPEIA: Líderes da UE chegam a acordo sobre pacote de recuperação pós-pandemia"

Ursula Von Der Leyen, presidente da Comissão Europeia, e Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, se cumprimentam com os cotovelosApós mais de 90 horas de tensas negociações, chefes de Estado e de governo concordam com fundo de ajuda histórico de € 750 bilhões, divididos em subsídios e empréstimos, para minimizar impactos da covid-19 sobre o bloco. Os 27 chefes de Estado e de governo da União Europeia (UE) chegaram a um acordo na madrugada desta terça-feira (21/07) sobre um pacote de recuperação multibilionário pós-pandemia.
Os líderes concordaram em disponibilizar 390 bilhões de euros do fundo de ajuda, no valor de 750 bilhões de euros, como subsídio não reembolsável, destravando assim um dos principais impasses para a aprovação do plano e do orçamento de longo prazo para a economia do bloco.  Os restantes 360 bilhões de euros serão ofertados em forma de empréstimos. 
O valor é um meio termo entre a ambiciosa proposta defendida por Alemanha e França, que previa subsídios de 500 bilhões de euros, e o plano defendido pela Holanda, Áustria, Dinamarca, Suécia e Finlândia, chamados de os "cinco frugais", que desejavam que as parcelas de subsídios fossem menores e as de empréstimos, maiores. Prováveis receptores, como Itália, Espanha, Grécia e Hungria, rejeitavam esse modelo. 
O tamanho do fundo de ajuda era o principal ponto de discórdia nas negociações da cúpula, que se estendeu por 90 horas e foi a mais longa do bloco desde o ano 2000. Inicialmente planejado para sábado e domingo, o encontro em Bruxelas só terminou às 5:30 desta terça-feira (horário de Bruxelas), minutos depois de os chefes de Estado e de governo terem retomado os trabalhos formais.
Logo após a decisão, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, tuitou uma breve mensagem: "Acordo!" Para ele, trata-se de "um acordo forte", que mostra que a Europa está "sólida". "Conseguimos. A Europa está forte, a Europa está unida", disse Michel em coletiva de imprensa após a aprovação.
Emmanuel Macron e Angela Merkel de máscara"Demonstramos responsabilidade coletiva e solidariedade e [mostramos] que acreditamos no nosso futuro comum", acrescentou, ressaltando que o acordo vai muito além do dinheiro. "É sobre famílias e trabalhadores, os seus empregos e a sua saúde e bem-estar."Os líderes dos 27 países-membros também deliberam sobre o orçamento de longo prazo da UE, para o período de 2021 a 2027, que totaliza cerca de 1,1 trilhão de euros. Foi o primeiro encontro dos mandatários europeus cara a cara desde que a pandemia de covid-19 foi declarada, em março.
O bloco enfrenta a pior recessão de todos os tempos, e os países precisam de dinheiro rapidamente para sustentar suas economias abaladas pela crise do coronavírus. Estima-se que a economia do bloco sofra uma contração de 8,3% neste ano, segundo as últimas previsões.
O impasse nas negociações levou a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, a afirmar no domingo que os líderes do bloco poderiam não chegar a um acordo sobre o plano de recuperação. A declaração foi dada após as tensões aumentaram na noite de sábado, quando a líder alemã e o presidente da França, Emmanuel Macron, se levantaram e saíram de uma reunião. A aliança franco-alemã é vista como vital para qualquer grande acordo dentro do bloco de 27 países.Merkel descreveu o acordo como um "sinal importante" e disse estar "muito aliviada" com a cooperação entre os líderes da UE. "Não foi fácil", disse a chanceler federal. "Conseguimos um bom resultados e fico muito feliz com isso."
O presidente francês, Emmanuel Macron, falou em um "dia histórico para a Europa". "Não existe um mundo perfeito, mas fizemos progressos", declarou Macron.
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, agradeceu Merkel por "orientar" as negociações em direção a uma solução e disse que a Europa pode sair da crise ainda mais forte. "Esta noite é um grande passo em direção à recuperação", afirmou Von der Leyen.
O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, um dos principais rostos dos "frugais", declarou estar "bastante satisfeito" com o acordo. "Conseguimos alcançar um bom resultado para a UE e a Áustria", escreveu em sua conta oficial no Twitter, terminando a mensagem com um agradecimento "a todos os colegas, especialmente os frugais". 
Do lado dos países que mais devem ser beneficiados, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, chamou o pacote de "plano Marshall para a Europa". A Espanha deve receber 140 bilhões de euros nos próximos seis anos.
O acordo também agradou à Itália, que deve receber 209 bilhões de euros (81 bilhões em subsídios e 127 bilhões em empréstimos). "Estamos satisfeitos com a aprovação de um ambicioso plano de relançamento, que nos permitirá enfrentar a crise com força e eficácia", afirmou o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.
A Grécia, que deve receber 72 bilhões de euros, prometeu que os fundos serão usados ​​cuidadosamente, sob um planejamento meticuloso. "Não temos a intenção de desperdiçar esse importante capital europeu à nossa disposição. Vamos investi-lo em benefício de todos os gregos", afirmou o primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis.
O acordo condiciona o recebimento da ajuda ao respeito ao Estado de direito, o que preocupa especialmente Hungria e a Polônia, que são alvos de investigação da Comissão Europeia por supostas violações de princípios democráticos.
LE/CN/dpa/lusa/afp/ap/rtr/cp
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos