TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

domingo, 23 de agosto de 2020

"CORONAVÍRUS: A receita de sucesso do Uruguai contra o coronavírus"

Mulher de máscara com a bandeira do Uruguai sobre o ombro anda numa praçaBaixa densidade populacional, sistema de saúde robusto e consenso político estão entre os ingredientes que fazem com que país sul-americano tenha resultados muito melhores na luta contra a pandemia que o Brasil.A América Latina é, junto com os EUA, epicentro da pandemia. Mas toda regra tem sua exceção. O Uruguai tem um histórico impressionante quando comparado a muitos outros países latino-americanos. De acordo com o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), o pequeno país sul-americano registrou 1.516 infecções e 42 mortes desde o início da epidemia, em 13 de março deste ano. Qual estratégia o Uruguai está buscando para evitar a crise coronavírus vista em seus vizinhos?
Os especialistas consultados pela DW destacam que não existe uma resposta única e que os vários fatores, como é frequente no combate às epidemias, vão além de meras questões de saúde. "No início, o desejo de unidade nacional era crucial. Todos os atores-chave se uniram para enfrentar a pandemia de forma abrangente", explica Giovanni Escalante, representante da Organização Panamericana de Saúde no Uruguai, em entrevista à DW. Além disso, ele diz que o país sempre teve um bom sistema de vigilância epidemiológica.
"Consenso incomparável"
"Houve um consenso sem precedentes entre os decisores políticos, a ciência e o mundo acadêmico do país", diz Gonzalo Moratorio, professor da Faculdade de Ciências da Universidade da República, de Montevidéu. Segundo ele, isso facilitou o trabalho dos especialistas no combate à pandemia, aspecto que outros países negligenciaram.
"O país sul-americano já havia feito seu dever de casa antes da pandemia", diz o especialista Giovanni Escalante. "O Uruguai ganhou uma experiência extremamente valiosa no combate a surtos como o de sarampo, ocorrido em 2019." Nesse caso, as autoridades responderam com um amplo programa de vacinação e conseguiram controlar a situação.
Ambiciosa política de saúde
Pessoas de casaco passeiam de máscara com o mar ao fundoMas o acompanhamento epidemiológico é apenas parte de um sistema de saúde robusto, que ambos os especialistas acreditam atuar como uma barreira contra o vírus. "É um dos sistemas de saúde mais resilientes da América Latina e há décadas que se investe de forma sustentável", afirma Escalante.
O consenso político sobre a importância social desse sistema de saúde explica por que ele sobreviveu a todos os altos e baixos políticos. "Existe uma opinião aqui no Uruguai de que o dinheiro para a saúde não é uma despesa, mas um investimento", explica o representante da Organização Panamericana de Saúde.
Além de uma política de saúde ambiciosa, grandes investimentos também têm sido feitos em educação e política social. O sistema social uruguaio é referência regional em áreas como o atendimento a crianças pequenas, idosos e necessitados. Além disso, o país foi o primeiro da América Latina a permitir o retorno às escolas apesar da pandemia.
Baixa densidade populacional
Detalhe não menos importante, a demografia do país também desempenha um papel importante. Gonzalo Moratorio ressalta que a baixa densidade populacional do país favorece o controle dos surtos epidêmicos. Além disso, a capital Montevidéu – onde vive cerca de metade dos uruguaios – "é uma cidade que conseguiu manter o equilíbrio na distribuição dos espaços verdes e públicos".
As regras de distanciamento social também moldam a vida cotidiana no Uruguai. A disciplina da população evitou até agora uma quarentena forçada. No entanto, a solidão, a depressão e as doenças mentais aumentaram.
Apesar dos sucessos, a situação pode mudar a qualquer momento. “Enquanto vizinhos como o Brasil não conseguirem controlar a pandemia, a cooperação nas fronteiras continuará sendo outra prioridade", diz Gonzalo Moratorio. Um dos maiores desafios é melhorar ainda mais as opções de diagnóstico e alerta precoce.
Enrique Anarte (md)Caminho Político
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos