TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

sábado, 15 de agosto de 2020

"CORONAVÍRUS: Rússia anuncia que produziu primeiro lote de vacina contra covid-19"

Foto divulgada pelo Ministério da Saúde russo mostra embalagem das primeiras vacinas contra a covid-19 produzidas no mundoPaís foi o primeiro do mundo a aprovar uma vacina contra o novo coronavírus. Mas imunizante é visto com ceticismo por outros países, pois não seguiu protocolo de testes e foi aprovado sem publicação de dados.A Rússia informou neste sábado (15/08) que já produziu o primeiro lote de sua vacina contra o coronavírus. O presidente Vladimir Putin havia anunciado no início da semana que a vacina russa foi aprovada para uso no país, mas a droga foi vista com ceticismo pelo resto do mundo. "O primeiro lote da nova vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Gamaleya foi produzido", afirmou o Ministério da Saúde russo em comunicado citado por agências de notícias do país.
Ao anunciar, na última terça-feira, que a Rússia se tornou o primeiro país do mundo a aprovar uma vacina contra o vírus causador da covid-19, Putin disse que a nova droga é segura e se mostrou eficiente em testes. Ele contou ainda que uma de suas filhas já havia sido vacinada.
No entanto, muitos cientistas no país e no exterior têm se mostrado céticos com as declarações do governo russo, questionando a decisão de registrar a vacina antes mesmo dos testes da fase 3, que normalmente duram meses e envolvem milhares de voluntários.
Ainda há desconfiança sobre a falta de publicação de dados em revistas científicas que atestem sua eficácia. Pouco se sabe também sobre as fases de todo o processo de pesquisa e quantas pessoas foram efetivamente testadas.
O anúncio também foi recebido com cautela pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que afirmou não ter recebido informações suficientes para avaliar a vacina russa.
"Acelerar o progresso não deve significar comprometer a segurança", disse o porta-voz da OMS Tarik Jasarevic, acrescentando que a organização está em contato com as autoridades da Rússia e de outros países para analisar o progresso das diferentes pesquisas de vacinas.
A vacina russa foi batizada de Sputnik V, em referência ao pioneiro satélite soviético lançado nos anos 1950, que marcou o início da corrida espacial. Ela foi desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Gamaleya, em Moscou, em parceria com o Ministério da Defesa russo.
A Rússia afirmou que espera dar início à produção industrial da vacina em setembro e planeja estar produzindo 5 milhões de doses por mês até dezembro ou janeiro. Segundo o governo, mais de um bilhão de doses foram encomendadas por 20 países estrangeiros. No Brasil, o governo estadual do Paraná assinou um acordo com Moscou para uma possível parceria futura.
O ministro russo da Saúde, Mikhail Murashko, disse nesta semana que médicos serão vacinados primeiro, e em seguida a vacina será disponibilizada para todos os russos de forma voluntária.
Com mais de 915 mil casos confirmados de covid-19, a Rússia é o quarto país do mundo com mais infectados, atrás apenas dos Estados Unidos, Brasil e Índia. Atualmente, há 92 mil pessoas hospitalizadas por conta do vírus e 2.900 em UTIs, segundo o Ministério da Saúde.
EK/afp/rtr/lusa/abr/cp
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos