SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

"A América Latina está dividida e, portanto, mais fraca do que nunca"

A América Latina de hoje lembra a dos anos 1980: uma região carente de solidariedade e que ignora sua identidade comum. Ao não tomar as rédeas do próprio destino, ela vem perdendo peso no cenário internacional.O triste cabo de guerra durante a eleição do novo presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) mostra claramente como a América Latina afundou: embora os latino-americanos sempre tenham estado no comando do banco desde que foi fundado, em 1959, o governo dos Estados Unidos agora escolheu um norte-americano como novo presidente. Com Mauricio Claver-Carone, o presidente Trump elegeu um político que até agora deu pouca atenção ao desenvolvimento e ao financiamento. O advogado é um dos dos principais linhas-duras anti-Cuba nos EUA, e desempenhou um papel fundamental na política de Trump de embargo à Venezuela.
No curto prazo, a decisão pessoal de Trump pode ser explicada em termos de tática eleitoral e, no médio prazo, se dirige contra a China. Trump quer garantir os votos dos conservadores latino-americanos na Flórida nas eleições presidenciais em novembro. E, ao assumir o comando do banco interamericano, Claver-Carone também deve conter a influência da China como investidora – o país concede cerca de 14 bilhões de dólares em empréstimos por ano na região.
Como mais importante acionista do BID, os Estados Unidos têm grande influência nas decisões relativas a pessoal. Mesmo assim, Claver-Carone precisava de apoiadores na região – o que para Trump não foi difícil de conseguir. Dos 28 Estados da região, 23 teriam votado no candidato dos EUA. O resultado exato da votação não será divulgado. Brasil e Colômbia já haviam se manifestado publicamente a favor de Claver-Carone. Os governos de esquerda da Argentina e do México – que, junto com a Costa Rica, o Chile e os acionistas europeus queriam adiar a votação para após as eleições nos Estados Unidos – também acabaram cedendo.
A vergonhosa derrota dos latino-americanos numa das instituições multilaterais mais importantes do continente mostra que os governos não falam em uníssono, nem querem tomar juntos as rédeas do próprio destino. A América Latina de hoje lembra a dos os anos 80 do século passado: uma região dividida, carente de solidariedade e que ignora sua identidade comum. Cada governo só se preocupa consigo mesmo, o que torna a América Latina passiva – e fraca.
Mesmo governos ideologicamente semelhantes não trabalham juntos: o que se aplica a presidentes de esquerda como os da Argentina e do México. Mas também ao governo populista de direita de Bolsonaro, que não apenas não consegue encontrar uma posição comum com os chefes de Estado conservadores do Chile ou da Colômbia – como nem mesmo está à procura dela. A diplomacia do Brasil busca proximidade apenas com os Estados Unidos. Os governos nem pensam mais em promover projetos regionais, como o Mercosul ou a Aliança do Pacífico.
Para a América Latina, é um mau sinal: unidos, os países teriam peso na política mundial – por exemplo, na ONU. Mesmo como fornecedora mundial de alimentos e matérias-primas, uma América Latina unida poderia aumentar significativamente a influência da região. Sozinhas, até mesmo grandes economias, como as do Brasil e do México, são apenas pesos-leves no cenário internacional.
Há mais de 25 anos, o jornalista Alexander Busch é correspondente de América do Sul do grupo editorial Handelsblatt (que publica o semanário Wirtschaftswoche e o diário Handelsblatt) e do jornal Neue Zürcher Zeitung. Nascido em 1963, cresceu na Venezuela e estudou economia e política em Colônia e em Buenos Aires. Busch vive e trabalha em São Paulo e Salvador. É autor de vários livros sobre o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos